Integração de modais de transporte: a redenção do etanol

LIDE MT, PR e Santos promovem debate sobre os impactos dos gargalos logísticos à cadeia do principal biocombustível do Brasil

Foto: Rafaella Zanol

“Devemos avançar na logística Arco Norte/Nordeste para podermos abastecer este mercado doméstico que pouco consome, hoje, etanol.”

A afirmação do presidente da União Nacional do Etanol de Milho (Unem), Guilherme Nolasco, feita nesta quinta-feira (30 de julho) durante o webinário “Logística Integrada”, incentiva a conversão das atenções do mercado de energia renovável às duas regiões do Brasil que podem vivenciar uma nova realidade em combustíveis – desde que a logística de transportes viabilize o atendimento a elas.

Promovido pelo LIDE Grupo de Líderes Empresariais de Mato Grosso, Santos e do Paraná, o evento on-line tem sido dedicado a debater gargalos do segmento, buscando soluções viáveis em curto e médio prazos.

Fortemente impactado pela pandemia, o setor de combustíveis vislumbra uma retomada econômica progressiva nos próximos meses.

“Cremos que 2021 iniciará com o mesmo status, positivo, registrado no começo de janeiro de 2020, quadro este alterado por conta da Covid-19”, observou Nolasco, pontuando que, no caso do milho, o déficit gerado pela redução na comercialização do etanol teve por compensação a venda do DDG, farelo proteico utilizado na alimentação do gado.

No que se refere ao cenário logístico de Mato Grosso, duas ações positivas sinalizam para o necessário, esperado e fundamental avanço: o protocolo junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), do projeto de concessão da Ferrogrão – que ligará Sinop (MT) à Miritituba (PA) e o anúncio da construção Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico) , entre os municípios de Mara Rosa (GO) e Água Boa (MT), à cargo da Vale como contrapartida à renovação antecipada de suas concessões de ferrovias.

As duas iniciativas resultarão em condições de entregar o etanol de milho e cana a novos mercados, tanto domésticos quanto externos, condição fundamental à viabilidade econômica do biocombustível.

Entusiasta do etanol e do cooperativismo, o presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), Miguel Tranin, compartilhou, no evento on-line, conhecimento e vivências sobre energia limpa, destacando a importância da Renova Bio, Política Nacional de Biocombustíveis, instituída pela Lei nº 13.576/2017.

“Temos o maior programa mundial de reconhecimento e validação das energias renováveis”, declarou, enfatizando, ainda, a importância de haver uma política tributária que estimule o consumo de etanol nos estados produtores, onde a atividade gera emprego e renda.

Fazendo referência ao ambiente logístico, fundamental à sustentabilidade financeira do setor produtivo, Tranin falou sobre a necessidade do Brasil priorizar na multimodalidade de transportes, lembrando que o investimento, por anos a fio, somente no modal rodoviário, fez com que, atualmente, o país tenha cinco caminhões para cada três cargas, gerado um imenso parque ocioso.

Otimistas com as possibilidades de mercado do etanol, que pode agregar ainda mais valor à cadeia sendo produzido a partir do milho também na entressafra da cana, Nolasco e Tranin foram unânimes em avaliar que a expansão dos negócios depende da maior divulgação da qualidade do etanol brasileiro, bem como das conquistas em sustentabilidade ambiental que este ícone da energia limpa e renovável representa.

Logística integrada – Promovido pelo LIDE Mato Grosso, LIDE Santos e LIDE Paraná, o projeto “Logística Integrada – Debates e Soluções” terá como ponto alto a realização de um fórum, previsto para o mês de agosto, do qual sairá a Carta da Logística.

O documento, contendo diagnóstico do segmento logístico na pandemia e propostas de soluções em curto e médio prazos, será encaminhado aos Estados e União.

Para assistir aos episódios da websérie que compõe o projeto, basta acessar o site do LIDE Paraná. Os programas são apresentados por Heloísa Garret, presidente do Lide Paraná, tendo a participação de presidente do LIDE Mato Grosso, Evandro Santos, e do presidente do LIDE Santos, Jarbas Vieira Marques.

A websérie que antecede o Fórum Logística Integrada já tratou de temas como armazenagem, portos e ferrovias, tendo contado, em um de seus episódios, com a participação do Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAvó denuncia que sua filha está negociando a venda de seu neto
Próximo artigoBotelho e Fábio Garcia disputam candidatura a prefeito de Cuiabá pelo DEM