Guarda municipal denuncia colega que se recusou ser comandado por uma mulher

O guarda do sexo masculino disse se sentir humilhado por ser comandado por uma mulher

(Foto: Prefeitura de VG)

Uma agente da Guarda Municipal de Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá), de 44 anos, denunciou um colega de profissão de 45 anos por preconceito, após cair na escala em função superior à dele e o homem se recusar a ser comandado por uma mulher.

Segundo a vítima, nessa terça-feira (17) ela, que é guarda municipal classe especial, estava na função de adjunta da base, na Avenida da FEB, em Várzea Grande, por ser mais antiga na corporação que o companheiro de plantão do dia.

Quando o colega chegou, no entanto, por volta das 7h15, ele foi procurar o coordenador de serviço e disse se sentir humilhado por ser comandado por uma mulher e que não aceitava ser comandado por uma mulher.

Motorista de viatura

Toda a equipe ficou sabendo do ocorrido e alguns se solidarizaram com a vítima. O coordenador, por sua vez, para resolver o problema colocou o guarda reclamante em outro posto, de motorista de viatura.

Antes de ser mudado de função, porém, segundo a vítima, ele ainda entrou em contato com o subcomandante e com o coordenador operacional da Guarda Municipal, que faz a escala, para reclamar, dizendo que também era antigo e, por isso, não aceitava ser comandado por uma mulher.

O subcomandante disse para o guarda que não podia fazer nada, porque ela era mais antiga que o guarda que estava reclamando, então ele não poderia ocupar a função dela.

Diante de toda a situação a que foi exposta pelo preconceito do colega de trabalho, a guarda municipal resolveu procurar a polícia e registrar um boletim de ocorrência por injúria mediante preconceito.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDeputados são derrotados
Próximo artigoBase fragmentada