Gasto milionário e falta de controle: MP quer saber o que deputados fizeram com tanto combustível

Relatório aponta uma despesa de R$ 4 milhões e a reportagem do LIVRE chamou a atenção do promotor Roberto Turin

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O promotor de Justiça Roberto Aparecido Turin, do Ministério Público Estadual (MPE), pediu explicações à Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) sobre a falta de controle nos gastos com combustíveis em 2018.

O descontrole foi divulgado pelo LIVRE em dezembro, baseado em relatórios técnicos sobre as contas de 2018 do Legislativo, analisadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). O documento foi apresentado em 2019 e ainda não foi julgado.

Turin resolveu pedir as explicações baseado em uma notícia de fato (procedimento preliminar em investigações do Ministério Público) aberta a partir da reportagem.

“Trata-se de notícia de fato instaurada a partir de reportagem intitulada ‘AL gasta mais de R$ 4 milhões com combustíveis e não consegue comprovar onde carros rodaram’, veiculada pelo site eletrônico O LIVRE. De acordo com a reportagem, as possíveis irregularidades são referentes ao ano de 2018”, diz o documento do MPE.

No dia 6 de janeiro, um ofício foi encaminhado pelo Procurador-Geral de Justiça, José Antônio Borges, ao presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (DEM), solicitando mais informações.

Hoje presidente do TCE, Guilherme Maluf já foi deputado e companheiro de Eduardo Botelho no comando da ALMT (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Gasto sem comprovantes

Ao entregar as contas de 2018 para o TCE, a Assembleia informou ter gasto, apenas naquele ano, R$ 4.237.446,35 com combustíveis.

Mas quando os auditores do TCE fiscalizaram os documentos dentro do próprio Parlamento, encontraram o pagamento de apenas R$ 3.374.243,03.

Além da diferença de quase R$ 1 milhão, a auditoria também apontou que a ALMT não conseguiu comprovar os gastos gerados com combustíveis.

Esse ponto é questionado há anos pelo TCE.

Quando Guilherme Maluf – que hoje preside a Corte de Contas – era deputado e comandava a Assembleia Legislativa (em 2015), foram gastos R$ 3,8 milhões em combustível. Dinheiro suficiente para comprar mais de 1,1 milhão de litros de gasolina e, segundo o Ministério Público de Contas,  dar mais de 230 voltas no planeta.

Promotor Roberto Turin não é o primeiro a “estranhar” os dados da ALMT sobre quanto combustível é comprado (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Os carros da ALMT são usados pelos 24 deputados, em tese, para atividades parlamentares por todo o Estado. E o pagamento das despesas com combustíveis ocorre a cada 15 dias, feito à empresa K.Q.Moura, que assinou o contrato 60/2017 com o Legislativo.

Apesar dos pagamentos serem feitos, os auditores apontaram que as informações não são suficientes para comprovar a lisura das despesas.

Para eles, algumas perguntas não foram respondidas. Por exemplo, quanto de combustível cada veículo utilizou naquela quinzena? Qual a quilometragem rodada pelos veículos? Qual o consumo de cada carro? Quais os destinos e para quais atividades os carros foram usados?

A análise das contas da Assembleia ainda está pendente no TCE.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. O maior erro é conceder R$ 15 mil/mês para cada deputado (24), limite de 15 veículos particulares e de terceiros (amigos, etc.) e não controlar o hodômetro de cada veículo. Pode investigar que tem cartões especiais que abastecem mais de 5 veículos particulares na Administração, Financeira, Geral além de alguns membros da mesa diretora. É para ir fundo e detonar essa coja.

  2. Esses políticos nunca representam a população, só se elegem para benefícios próprios. Sonho em um dia termos políticos honestos e preocupados com a população e não apenas com seu próprio bolso.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConfiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
Próximo artigoAssaltante resolve voltar para levar mais e acaba esfaqueado pela vítima

O LIVRE ADS