Folia com saúde: campanha distribuirá 2 milhões de preservativos em MT

Objetivo é prevenir doenças sexualmente transmissíveis

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A campanha de distribuição de preservativos na rede pública da Saúde foi intensificado por conta do Carnaval. Em Mato Grosso, os postos e unidades de saúde têm disponíveis 2 milhões de unidades para entregar aos foliões e usar em ações ativas, em bailes e locais destinados as festas.

Vale lembrar que uma pessoa é infectada pelo vírus HIV a cada 15 minutos no Brasil, conforme dados do Ministério da Saúde, que apontam ainda um avanço da doença entre a população mais jovem.

A maioria dos casos de infecção no país é registrada na faixa etária de 20 a 34 anos, com 18,2 mil notificações (57,5%).

Além dos notificados, existem as pessoas que sequer sabem de sua condição. Estima-se que 135 mil brasileiros vivem com o vírus, porém não sabem.

E quem acredita que a contaminação é exclusiva de solteiros está enganado. Estatísticas da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso mostram que eles correspondem a 61% dos óbitos, o restante são casados.

Em Mato Grosso, entre os anos de 2011 a 2019, foram notificados 3.376 casos de pessoas que vivem com o vírus HIV em adultos. Já o registro de casos de AIDS apontam 1.580 casos.

Outras doenças

O uso do preservativo, adverte a equipe de saúde de SES, previne tanto contra a AIDS como outras doenças sexualmente transmissíveis como hepatites e sífilis, por exemplo, além de gravidez indesejada.

A Vigilância Epidemiológica também registrou em 2019, 449 casos de hepatite do tipo B e do tipo C são 199 casos (dados parciais).

O quadro de sífilis no Estado nas formas: adquirida, congênita ou em gestantes, apresenta os seguintes dados estatísticos do ano de 2019: 3244 casos em gestantes; 3722 casos de sífilis adquirida e 1684 na forma congênita.

(Com informações Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPecuaristas temem aumento da carga tributária com a retirada do Fethab
Próximo artigoEducador físico nos condomínios