Especialistas discutem futuro da agricultura irrigada em Mato Grosso

O objetivo do estudo é traçar estratégias para ampliação da área irrigada no Estado de forma sustentável

Foto: Assessoria

Agricultores, empresários, pesquisadores e representantes do poder público participaram de uma discussão sobre o avanço da agricultura irrigada em Mato Grosso na última semana, em Cuiabá. Durante o encontro, os cientistas da Universidade Federal de Viçosa (UFV-MG) apresentaram estratégias para serem aplicadas no estudo que visa descobrir a viabilidade da ampliação da área irrigada de forma sustentável.

Hoje se estima que a área irrigada do Estado seja de 220 mil hectares. O que não representa 1% da área plantada de Mato Grosso. Se levado em consideração a área destinada para a agricultura e pecuária, o total irrigado é ainda menor.

O avanço desse projeto pode alavancar a produção agrícola do Estado, uma vez que, com o controle da água, os produtores conseguem aumentar suas safras, garantindo o que o solo pode produzir. Essa tecnologia também proporciona um equilíbrio na distribuição da água e que possibilita o máximo aproveitamento dela.

Representantes dos órgãos envolvidos – Foto: Assessoria

Mas antes de trabalhar na ampliação desse mecanismo, os produtores têm se preocupado com o avanço sustentável do setor. O presidente da Associação dos Produtores de Feijão, Trigo e Irrigantes de Mato Grosso (Aprofir), Marlon Fedrizzi disse que a discussão foi uma oportunidade de se criar um estudo prévio antes que a irrigação represente um problema no Estado.

“O estudo é bem abrangente, ainda mais se falando de um Estado continental como o nosso, com diferenças e características próprias entre regiões. Por isso, nosso objetivo é fazer uma agricultura irrigada de maneira sustentável e produtiva. Tem que ser correta ambientalmente, mas também social, ela tem que atender a demanda da sociedade, do Estado e da classe produtora”, afirma o presidente.

Marlon Fredizzi avalia que é cedo para projetar o crescimento da irrigação no Estado. Ainda ressalta que para isso é preciso cautela. “Quando falamos em irrigação, falamos em grandes investimentos e hoje não vemos mais ninguém arriscando. Por isso temos que estar ambientalmente e socialmente corretos”.

Ele ainda observou que com a ampliação da cobertura, os produtores terão mais capacidade de variar a cultura, “você consegue sair do milho e soja, consegue ter um leque de produtos muito maior para fornecer para sociedade. Quem ganha com isso é o consumidor final que vai ter produtos mais baratos e mais diversificado”.

O professor do Departamento de Engenharia Agrícola da UFV-MG, Everardo Mantovani destacou que com a irrigação agrícola o produtor pode produzir mais e melhor, além de ter a possibilidade de ter mais de uma safra no mesmo local, evitando a abertura de novas áreas.

“Você consegue entrar em uma cultura de maior valor e risco, porque você tem a certeza que não vai ter problemas de água”, disse.

Mantovani ainda afirmou que a irrigação agrícola contribui para a geração de emprego, desenvolvimento da região, arrecadação de impostos e produção de alimentos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNova diretoria da Abrasel-MT lança calendário de eventos nesta terça
Próximo artigoBolsonaro anuncia 13° para beneficiários do Bolsa Família

O LIVRE ADS