Equipe de pizzaria formada por haitianos faz a diferença em MT

Atualmente estima-se que no Brasil sejam consumidas mais de 1,7 milhões de unidades de pizza

Nesta quarta-feira (10) o mundo celebra uma das invenções gastronômicas mais “queridas”. Sim, estamos falando da pizza. Estima-se que no Brasil, sejam consumidas mais de 1,7 milhões de unidades. Bastante, não é? E, para comemorar a data, o LIVRE foi conhecer uma pizzaria que conta com uma equipe muito especial.

Além de conquistar a fidelidade da clientela pela diversidade de sabores e esmero no preparo, a Costaneiras, de Sinop (a 500 Km de Cuiabá), também ganhou o carisma dos clientes por um outro quesito: engajamento social.

O proprietário resolveu dar uma força a imigrantes que precisavam de emprego, mas encontravam poucas oportunidades. Foi então que há cinco anos convocou os primeiros migrantes para compor o quadro de funcionários. Hoje, a equipe já tem nove pessoas oriundas do país caribenho assolado por tragédias naturais.

Foto: Felipe Haupt

“Eles vieram para trabalhar em outra empresa, mas não se adaptaram e acabaram ficando sem emprego. No início tínhamos uma enorme necessidade de mão de obra, então demos uma chance a eles e deu certo. Meus funcionários sempre buscam a excelência, são bons ao extremo”, contou o empresário Oilson Andreolla. Antes, ele “penava” com funcionários que faltavam ao emprego.

Mas Andreolla conta que teve que remar contra a correnteza. Muita gente não via sua iniciativa com bons olhos. “Já teve casos de fazerem insinuações de que a contratação era motivada porque queríamos pagar salários menores. Infelizmente ainda existe muito preconceito e julgamento. Eu já fui um migrante, me reconheço neles, fiquei longe da família e sei como é”, destacou.

Pizzaiolo haitiano

Jean Benjamim, de 41 anos, é um destes que tiveram oportunidade. “Moro aqui com amigos, infelizmente minha família reside em nosso país de origem”, relatou.

“Hoje me sinto privilegiado por ter recebido essa oportunidade. Já me considero um pizzaiolo. Aprendi muitas coisas e todos os dias evoluo mais. É uma sensação de imensa gratidão”, declarou.

 

O empresário Oilson se alegra ao constatar que muitos imigrantes chegaram em Sinop sozinhos, porém com a fixação na cidade, alguns já tiveram a oportunidade de trazer a família para o país. “Isso nos enche de orgulho, alguns chegaram até sem local para ficar, hoje já trouxeram a família e estão estabilizados. Há poucos dias um dos profissionais conseguiu trazer a esposa e o filho de três anos que ele ainda nem conhecia pessoalmente para Sinop”, contou Oilson.

Além da vinda de familiares, outros membros da equipe já conquistaram o sonho da casa própria. “A alegria das conquistas deles nos contagia. Outro rapaz que está conosco comprou um terreno e construiu sua casa, comemoramos isso com ele”. Para o empresário, as conquistas são resultado do comprometimento deles.

E assim, eles seguem na produção a todo vapor. Das mãos deles saem todos os dias, em média 600 pizzas de sabores variados: picantes, vegetarianas, com queijo, calabresa e até mesmo com sorvete.