Em Cuiabá, dentistas estão ociosos por falta de cadeiras e insumos

No Jardim Vitória, das 11 cadeiras odontológicas, apenas uma está em condições de uso

Profissionais da área de saúde bucal se aglomeram no Centro Odontológico do bairro Jardim Vitória, em Cuiabá. Todos querem trabalhar, mas, apenas uma das 11 cadeiras de dentista da unidade está em condições de uso. As demais foram desativadas por questão de idade ou falta de manutenção.

Quando um dos servidores consegue ser eleito para atender o paciente, ele ainda precisa contar com a sorte, tendo em vista que faltam insumos essenciais para se fazer os tratamentos mais básicos.

A situação foi flagrada pelo vereador Diego Guimarães (Cidadania) esta semana, enquanto ele fiscalizava as unidades odontológicas da Capital.

No Jardim Vitória, ele verificou várias irregularidades e, conversando com os dentistas, descobriu que parte deles eram originalmente do Centro de Especialidades Odontológicas do bairro Planalto.

Os profissionais foram remanejados no ano passado devido à obra de reconstrução da unidade que, até agora, não acabou e nem tem previsão de ser concluída.

Guimarães também foi ao Planalto, onde encontrou escombros, poeira e vários equipamentos e documentos amontoados pelos cantos da unidade.

A obra, uma demanda antiga da comunidade, está orçada em R$ 265,2 mil. De pessoas que vivem no bairro, o vereador ouviu a versão de que a empresa responsável abandonou o empreendimento.

“Vamos continuar as visitas. Pretendo fazer, pelo menos, seis e apresentar um relatório para a Comissão de Saúde da Câmara de Cuiabá. Também vou protocolar um pedido no Tribunal de Contas do Estado, para que os contratos das unidades sejam auditados. Assim, o tribunal poderá fazer as recomendações que achar cabível”, afirmou Guimarães.

O que diz a Prefeitura?

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou, por meio de nota, que a obra do Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) do bairro Planalto está parada devido à dificuldades enfrentadas pela empresa que estava contratada para realizar o serviço.

Segundo a Prefeitura, alguns sócios faleceram e a empresa perdeu a capacidade de prosseguir os trabalhos. O  contrato, então, foi rescindido em comum acordo entre as partes.

Agora, a SMS trabalha na planilha orçamentária e está realizando nova licitação para retomar a obra, cujo custo previsto é de R$ 265.243,64. Desse total, R$ 84.254,14 já foram aplicados em serviços de troca do telhado, retirada do forro, contrapiso, drenagem, abrigo de resíduos, caixa d’água, entre outros.

Enquanto isso, os serviços estão sendo prestados no CEO do bairro Jardim Vitória.

A Prefeitura ainda destaca que a reforma da unidade do Planalto trará benefícios para a comunidade, que deve ganhar um centro odontológico moderno, com espaços de atendimento individual, garantindo mais biossegurança e privacidade aos pacientes.

Com relação à falta de insumos, a SMS informa que tem licitações em andamento para adquirir materiais, o que deve ser finalizado em breve.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMP denuncia homem que estuprou a própria mãe
Próximo artigoPolícia deflagra operação em combate a crimes sexuais contra crianças e adolescentes