Elenco do Barcelona em pé de guerra com diretoria por causa de salários

Diretoria quer reduzir vencimentos, mas elenco não aceita negociação

(Foto: Crédito Miguel-Ruiz FC Barcelona/Reprodução)

Os principais jogadores do Barcelona estão inseridos em uma disputa com a diretoria do clube para a definição dos salários dos atletas, em um cenário que está se torna uma guerra com a cúpula do time.

Na primeira semana de outubro, os jogadores deixaram claro que não querem negociar nas condições estabelecidas pelo clube. Segundo a rádio catalã RAC1, os atletas não aceitaram a redução salarial de 30% proposta pelos dirigentes.

Para recusar a proposta, eles enviaram um burofax à direção do clube. Esse foi o mesmo documento utilizado por Lionel Messi no fim da última temporada quando decidiu que gostaria deixar o clube. A situação se apaziguou, e Messi segue no Barcelona, mas o momento ainda é delicado.

De acordo com o jornal Sport, apenas três jogadores não assinaram o burofax: o goleiro alemão Ter Stegen, o zagueiro francês Lenglet e o meia holandês De Jong.

A direção do Barcelona fixou em 5 de novembro a data limite para chegar a um entendimento sobre a questão da redução salarial. Segundo o diário “El Mundo Deportivo”, devido à recusa do plantel, existe a possibilidade da execução unilateral da medida – mesmo que isso acarrete em mais problemas extracampo.

Em uma carta enviada aos jogadores no início da semana, a diretoria do Barcelona explica, após agradecer os esforços da temporada anterior, que agora a situação se agravou. Essas e outras notícias podem ser encontradas em um novo jornal de esportes, que atualiza o noticiário nacional e internacional diariamente.

“Seus níveis de remuneração só se mantêm em um cenário de pleno desempenho econômico. Como vocês bem sabem, esse é um momento delicado para todos os clubes do futebol europeu”, diz o documento.

De acordo com jornais espanhóis que acompanham o caso de perto,  a equipa titular do Barcelona não tem intenção de se sentar para negociar com o clube nas condições actuais e deve ficar claro nos próximos dias.

Segundo o diário argentino “Olé”, Lionel Messi e Gerard Piqué, dois líderes do time, não vem falando a mesma língua, uma vez que o camisa 10 não recebeu apoio nenhum do defensor nos recentes embates com o presidente Josep Maria Bartomeu.

No fim da última temporada, Messi forçou sua saída do Barcelona e ameaçou entrar na justiça contra o clube caso não fosse liberado. A diretoria do clube rebateu as ameaças e disse que o argentino teria que pagar uma multa caso levasse a história adiante.

No fim das contas, Messi acabou permanecendo, mas fez duras críticas ao atual presidente. Maior jogador da história do Barça e grande ídolo da torcida, o argentino criticou o dirigente pela maneira como ele conduziu as negociações, sem demonstrar respeito por sua trajetória no time.

Agora, com o começo de uma nova temporada, os problemas que pareciam ter ficado no passado voltam a assombrar um dos maiores clubes do mundo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça defere Roberto França
Próximo artigoCovid e as comorbidades: por que cientistas estão trocando o termo pandemia por sindemia?