Covid e as comorbidades: por que cientistas estão trocando o termo pandemia por sindemia?

E eles sugerem uma mudança de estratégias para combater o vírus: foco nas pessoas que já estão mais vulneráveis a sintomas mais graves

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Que a covid-19 costuma ser pior em quem já tem determinadas doenças – como diabetes, hipertensão ou obesidade – não é novidade. Cientistas agora, no entanto, estão sugerindo que esse “detalhe” seja considerado para que a situação global deixe de ser tratada como uma pandemia e passe a ser considerada uma “sindemia”.

E não, não se trata somente de uma mudança de nomenclatura, mas de uma mudança de estratégias para deter o vírus.

Em em entrevista à BBC News Mundo, o antropólogo e médico americano Merrill Singer – criador desse termo, na década de 1990 – explicou que uma doença pode ser considerada sindêmica quando o fato de ela interagir com outras, geralmente pré-existentes, potencializa os danos que ela pode causar.

E conforme a pesquisadora da Universidade Laval, no Canadá, Tiff-Annie Kenny, se engana quem pensa que todas as doenças podem se tornar piores, caso você já esteja debilitado por outra enfermidade.

“Há cada vez mais evidências de que a gripe e o resfriado comum são contra-sindêmicos, ou seja, a situação não piora. Se uma pessoa está infectada com os dois vírus, uma das doenças não se desenvolve”, ela disse, também à BBC News Mundo.

Quanto mais pobre, mais vulnerável

E Singer vai além: segundo ele, o impacto dessa interação – no caso de uma sindemia – também é facilitado pelas condições sociais e ambientais em que as pessoas vivem.

Kenny, por exemplo, trabalha no Ártico, com populações afetadas por insegurança alimentar, mudanças climáticas e condições de moradia que dificultam o cumprimento das recomendações sanitárias, como lavar as mãos ou manter distância social. Logo, estão mais vulneráveis ao novo coronavírus.

E quanto à diabetes e obesidade, a pesquisadora afirma: são mais comuns em indivíduos de baixa renda. 

Portanto, os pesquisadores que defendem que a covid-19 é uma sindemia e não uma pandemia sugerem que a abordagem seja diferente. É preciso, segundo eles, se atentar para as condições sociais que tornam certos grupos de pessoas mais vulneráveis ​​à doença.

“Temos que lidar com os fatores estruturais que dificultam o acesso dos pobres à saúde ou a uma alimentação adequada”, conclui Singer.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorElenco do Barcelona em pé de guerra com diretoria por causa de salários
Próximo artigoVacina obrigatória? MT vai seguir orientação do Ministério da Saúde no caso da covid-19