Efeito pandemia: em Cuiabá, divórcios aumentaram nos meses de isolamento social

Situação observada na Capital de Mato Grosso seguiu tendência nacional em meses com isolamento social mais rigoroso

(Foto: Burak Kostak no Pexels)

Ao que tudo indica, o isolamento social colocou casamentos à prova. Com as medidas mais restritivas de circulação, casais passaram a conviver por mais tempo e, para alguns, isso  foi suficiente para decretar o fim do matrimônio.

De janeiro a abril de 2020, meses em que as medidas mais restritivas ainda não haviam sido tomadas em Cuiabá, o número de divórcios foi bem menor que o registrado no mesmo período de 2019. Somente 8 separações, contra 18 términos oficiais no ano anterior.

Os dados foram divulgados pela Associação dos Notários e Registradores de Mato Grosso (Anoreg-MT) e levam em consideração os divórcios feitos com base em escrituras públicas. Não foram computados os divórcios feitos de forma judicial.

É a partir de maio, porém, que os números de 2020 ultrapassam os de 2019. Neste mês, 11 casamentos chegaram ao fim.

Nos meses seguintes, com exceção de julho, os números seguem em linha ascendente: junho foram 13, em julho 4, em agosto 12, em setembro 15, em novembro 9 e em dezembro 4. E em outubro a Capital registrou o maior volume: 21 divórcios.

Apesar do aumento na comparação mês a mês, a média dos dois anos tem algumas diferenças decimais. Os números levam em conta os divórcios registrados em cartórios de Cuiabá até o dia 10 de dezembro.

Comportamento nacional

O mesmo comportamento foi observado em nível nacional. No começo da pandemia, de março a maio, identificou-se uma queda na quantidade de registros de desunião. Já de junho a agosto, os números dispararam.

O motivo desse aumento nos últimos três meses, além da pandemia, é que houve a permissão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em 26 de maio, para os processos de divórcio serem efetuados virtualmente. Isso gera celeridade, pois não há necessidade de deslocamento ao cartório.

Entre março e maio do ano passado, o número de divórcios foi de 18.689. Já no mesmo período desse ano, meses iniciais da pandemia no país, a quantia caiu para 11.508. Após a resolução de processos on-line ser aprovada, o número de separações formais entre junho e agosto chegou a 19.533 em 2020, contra 18.076 no mesmo período de 2019.

Separação pela internet

O uso da tecnologia garantiu que a assistente social, Sônia Machado, 46, e o auxiliar administrativo, Joaquim de Paula, 50, regularizassem a situação do casal que já vivia separado há sete anos.
Os dois participaram de audiência de conciliação por videoconferência, usando o WhatsApp e conseguiram o divórcio consensual. Ele em Hortolândia (SP) e ela em Novo Santo Antônio, a 1.074 km de Cuiabá.
“Espero que as audiências por videoconferência continuem, mesmo com o fim da pandemia, pois reduz a burocracia e dá uma resposta rápida”, avalia Sônia, que conseguiu ainda voltar a usar o nome de solteira, a manutenção da guarda do filho especial, estipular pensão alimentícia e estabelecer regime de visitas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAinda precisa trocar presente? Fique atento aos seus direitos e tire dúvidas
Próximo artigoAs voltas que o mundo dá