Com cenário pessimista, área plantada de algodão deve ter redução de 10% em MT

Para otimizar os custos, o consultor e ex-presidente da Abrapa, Sérgio de Marco, sugere que os cotonicultores optem por ciclos mais curtos

(Foto: Fundação MT)

Custo alto, preços baixos, comercialização lenta, e incertezas climáticas formam um cenário pessimista para os produtores de algodão na safra 2019/20. Durante Encontro Técnico do Algodão – promovido pela Fundação Mato Grosso nesta semana em Cuiabá (MT) – é consenso entre analistas e agricultores que o próximo ciclo demandará mais esforços do cotonicultor para que a conta feche.

Em Mato Grosso, a área plantada pode ter uma redução de pelo menos 10%, passando de 1,072 mi de hectares para cerca de 900 mil, caso o mercado não reaja até janeiro, avalia o consultor e ex-presidente da Abrapa, Sérgio de Marco.

“Se o mercado reagir daqui até janeiro, o produtor vende algodão e planta algodão. Agora se não reagir, o produtor pode sair do algodão e ir para o milho. O preço do cereal não vai baixar dos R$ 22, há muita demanda em razão do etanol”.

(Foto: Fundação MT)

Ele explica que é preciso aguardar o plantio da soja para que seja definida a janela do algodão e então checar a viabilidade das culturas. Até o momento apenas 40% da safra 19/20 foi comercializada, enquanto na anterior, neste período, cerca de 70% da produção já havia sido negociada, com bons preços.

O consultor avalia que o produtor terá que reaprender a fazer o “feijão com arroz na cultura do algodão” para se ajustar e reduzir o custo de produção. “Só assim para o produtor voltar a ter margem. Talvez tenha que tirar um manejo diferente da cartola, um algodão mais curto com 150 dias. Assim, escapa do alongamento, faz menos aplicações. Basta escolher a variedade correta, avaliar o solo, e fazer coisas que a gente estava relaxando”, disse.

Tomada de decisão

O superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Daniel Latorraca, explica que o custo operacional se manteve em um patamar muito elevado, contudo, o preço da arroba do algodão disponível está 32% menor, quando comparado a 12 meses atrás.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Latorraca destaca que o produtor tem pouco tempo para a tomada de decisão. “O desafio agora é a tomada de decisão do produtor diante da piora do algodão, em relação ao ano passado. Neste mesmo período houve melhora no milho. Agora essa é uma decisão que o produtor vai ter que tomar para a segunda safra dessa temporada 19/20”, disse o superintendente.

Para ele, diante desse cenário, é difícil o cotonicultor ficar otimista e que a situação dos que não venderam suas plumas é ainda mais complicada. “O preço caiu muito. Estamos falando de um valor que é basicamente o custo de produção operacional em Mato Grosso. Não há uma perspectiva de melhora de preço, uma vez que os estoques de pluma também estão altos”, observa.

Segundo ele, a solução para esse problema pode ser a guerra comercial entre os Estados Unidos e China, já que o continente asiático pode aumentar a demanda de algodão vindo do Brasil. Mas ele lembra que não é isso que tem visto na reação de prêmios no porto, como é comum na comercialização da soja.

Desafios e soluções

Para o diretor técnico da Fundação MT, Leandro Zancanaro, os cotonicultores terão o desafio de reduzir custo e manter a produtividade. “É um grande desafio, mas é possível”, afirma.

Diretor Técnico da Fundação MT, Leandro Zancanaro (Foto: Fundação MT)

Cumprindo esses dois objetivos, ele acredita que será possível mexer nos preços na próxima safra. “Esse é o momento do se aplicar tecnologia que é o conhecimento com base científica aplicada em uma atividade”.

A solução, segundo Zancanaro, é aplicar no campo o conhecimento que o agrônomo adquiriu nas salas de aula. “Não temos que inventar moda, é selecionar as melhores áreas, as quais temos segurança de que vão produzir mais e investir em materiais mais resistentes”, disse.

Ele também defende que os cotonicultores façam ciclos mais curtos. “Essa pode ser uma boa solução. Porque quanto menos tempo a lavoura fica no campo, menos tempo você tem que cuidar dela”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCães militares de MT participam do 1º Campeonato de Faro
Próximo artigoCartórios de MT agora são obrigados a receber pagamentos no cartão

O LIVRE ADS