Christopher Nolan faz apelo para que ajudem o cinema durante crise

Nolan pediu socorro aos funcionários que fazem o sistema funcionar

(Foto: Reprodução/O Livre)

É muito provável que o Cinema nunca mais volte a ser o mesmo depois do pesadelo logístico que acontece até agora durante a pandemia do novo coronavírus.

Inúmeras produções foram paralisadas e adiadas para evitar surtos ainda maiores de contágios da doença. Entretanto, por isso, é possível que diversas produtoras, distribuidoras e exibidoras acabem entrando em falência.

Por isso, o cineasta Christopher Nolan escreveu um artigo de opinião no jornal Washington Post pedindo que as pessoas ajudem a comunidade do cinema:

“Em tempos tão incertos, não há pensamento mais reconfortante do que estamos todos juntos, algo que a experiência de ir ao cinema reforça há gerações. Além da ajuda que os funcionários dos cinemas precisam do governo, a comunidade de exibidores precisa de parcerias estratégicas e voltadas para o futuro com os estúdios”, analisou Nolan.

“Quando a crise passar, a necessidade de um engajamento coletivo humano, a necessidade de viver, amar, rir e chorar juntos será mais poderosa do que nunca”, continua.

“O golpe mais duro agora são em trabalhadores de negócios como cinemas, cujo principal apelo é baseado no maior instinto humano – aquele que foi usado contra nós, o que torna tudo mais difícil: o desejo de estarmos juntos. Talvez, como eu, você pensou que ia ao cinema pelo som, os doces, o refrigerante, a pipoca ou as estrelas. Mas não estávamos lá por isso. Estávamos lá uns pelos outros”, finaliza.

O novo filme do cineasta é Tenet, previsto para estrear em julho nos cinemas mundiais. Ainda não se sabe se o coronavírus também provocará o adiamento do filme.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCoronavírus: Wellington testa negativo
Próximo artigoCoronavírus: Brasil tem 34 mortes e 1.891 casos confirmados, diz Ministério da Saúde

O LIVRE ADS