Caso Rodrigo Claro: julgamento inicia sem a presença de tenente Ledur

Promotoria pediu condenação por tortura e assistência, que ela seja expulsa da Corporação. A bombeiro é acusada de torturar aluno com afogamento

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Após 5 anos de espera e acolhimento de recursos que resultavam em adiamento das sessões, a Justiça Militar iniciou o julgamento da tenente do Corpo de Bombeiros, Izadora Ledur de Souza Dechamps. A militar é apontada com responsável pela morte de Rodrigo Claro, de 21 anos, que  integrava a turma de formação de bombeiros. O rapaz morreu após participar de um treinamento de salvamento aquático.

A sessão começou por volta das 13h30 dessa quinta-feira (23), em Cuiabá, e o advogado de defesa da tenente Ledur, Huender Rolim, apresentou o pedido de dispensa da ré. O juiz responsável pelo julgamento, Marcos Faleiros, acatou a solicitação e a sessão não contou com a presença dela.

Resgate do caso

Em sua fala, o promotor Paulo Henrique Amaral Motta relembrou todo o caso ocorrido em novembro de 2016. O Ministério Público do Estado frisou que Rodrigo morreu em decorrência dos afogamentos a que foi submetido por parte da tenente.

Conforme a Promotoria, a militar estava com uma postura de perseguição porque o rapaz apresentou atestado médico por conta de um problema no joelho e também tinha dificuldades na natação.

Esse comportamento persecutório foi apontado também aos pais, destacou o promotor. Rodrigo tinha dito aos pais que tinha medo da tenente Ledur.

Motta argumentou que Rodrigo pediu à tenente que parasse com os episódios de afogamento que causavam sofrimento extremo físico e psicológico, durante o treinamento de travessia na lagoa Trevisan. Porém, não foi ouvido. O aluno, então, tentou desistir do curso, abrir mão da formação e do concurso, mas não foi ouvido durante os primeiros avisos.

A tenente, ao ver que o aluno não conseguiria terminar a tarefa, foi até Rodrigo e realizou a submersão do rapaz reiteradas vezes e não deixou que ajudassem o jovem com uma boia. Para a Promotoria, a militar quis castigar, humilhar e fazer o jovem sofrer.

Após os afogamentos, Rodrigo chegou a vomitar água e reclamou de dores de cabeça. A militar então determinou que ele fosse até o 1º Batalhão para se apresentar. Assim que chegou à unidade militar, Rodrigo foi encaminhado para a Policlínica do Verdão por reclamar das fortes dores de cabeça.

Dali, direcionado para um hospital, onde foi internado não resistiu e faleceu, dias depois. Nesse ponto, Motta reiterou que o aluno militar não apresentava problemas de saúde, conforme comprovado pelos exames que atestaram a aptidão física do aprovado no concurso público.

É um relato exaustivo porque exaustivos foram os fatos de 2016. É um relato frio, mas é importante nos posicionarmos e imaginar o que realmente aconteceu naquele dia”, pontuou o promotor. 

Condenação

O MPE avaliou que, caso haja a absolvição da militar, isso representará uma impunidade. Além disso, reforçou o pedido para que a tenente Ledur seja condenada pelo crime de tortura.

O advogado que atua como assistente de acusação, Julio Cesar Lopes, foi além e pediu que a ré seja excluída do quadro da Corporação.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMotorista de aplicativo com veículo em nome de terceiros terá isenção de IPVA
Próximo artigoCaso Rodrigo Claro: Defesa rebate acusação e nega perseguição a aluno