Avenidas Miguel Sutil e Fernando Corrêa lideram em acidentes de trânsito com vítima

Semob diz que a principal causa dos acidentes é a imprudência dos motoristas

Principais ligações entre as regiões de Cuiabá, as avenidas Miguel Sutil e Fernando Corrêa da Costa são também as mais perigosas. Nelas se concentraram quase 50% dos casos de acidente de trânsito com vítimas registrados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Os dados são de janeiro a julho deste ano.

Levantamento do LIVRE a partir de dados do Samu mostra que, no primeiro semestre, foram atendidas 360 ocorrências nas duas vias listadas. O número representa exatos 44,6% do total de acidentes registrados no período.

De acordo com a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), é estimado que 38 mil veículos passem diariamente pela Avenida Miguel Sutil. Já na Avenida Fernando Corrêa da Costa, o número fica em torno de 45 mil automóveis.

Para o secretário Antenor Figueiredo, o número alto de acidentes se dá em razão da imprudência por parte dos motoristas. Ele cita também o alto fluxo de carros nas vias, que são as principais da cidade. “Prova disso é a recorrência de infrações como abuso de velocidade e avanço de sinal vermelho”.

Em agosto, um grave acidente acabou com a morte de um motociclista esmagado por um ônibus, pouco depois das 16h, do dia 6. Na ocasião, o ônibus teria acelerado para passar no sinal amarelo, que se tornou vermelho de repente. Assim, ele se chocou contra um carro Ford EcoSport, que rodou na pista.

No mesmo acidente, o ônibus acabou prensando um motociclista contra um caminhão da empresa Carvalima. Por pouco outro motociclista também não se vitimou. O caso foi tão grave que chegou a ser necessário que o motorista voltasse ao transporte coletivo para dar ré, a fim de “desgrudar” o corpo da vítima, que estava preso entre os veículos.

Naquele dia, o trânsito acabou congestionado até às 21h, porque a avenida Fernando Corrêa da Costa acabou interditada. Foi necessário que a população desviasse para outras vias, como a Estrada do Moinho, Avenida das Torres e Avenida Beira Rio.

Além das duas avenidas, o Samu também registrou 152 atendimentos a vítimas de trânsito na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (do CPA). Na Avenida Professora Edna Maria de Albuquerque Affi (das Torres), o número foi de 90 acidentes. Já na Avenida Dante Martins de Oliveira (dos Trabalhadores), os acidentes somaram 83 casos.

No levantamento também foram registrados 67 acidentes com vítimas na Avenida Beira Rio e outros 55 na Avenida Tenente-Coronel Duarte (Prainha).

Várzea Grande

Na cidade vizinha, o número de atendimentos foi de 374 casos, representando 44,6% dos chamados registrados em Cuiabá.

Em Várzea Grande, o trecho da Avenida Governador Júlio Campos é o mais violento. Nele foram registrados 81 acidentes com vítimas, segundo o Samu. A via é seguida pela Avenida da FEB, que liga Cuiabá ao município, onde aconteceram 73 acidentes entre janeiro e julho.

Na Avenida Filinto Muller, o número de casos atendidos pelo Samu foi de 71 acidentes, enquanto na Avenida Ulisses Pompeu de Campos os acidentes somaram 43. As Avenidas 31 de março, Alziro Santana e Couto Magalhães registraram, respectivamente, 36, 35 e 35 acidentes com vítimas.

Acidente de trânsito em rodovias

O número de acidentes com vítimas em rodovias é ainda menor do que o registrado em Várzea Grande. Conforme dados do Samu, a Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), que liga Cuiabá à Chapada dos Guimarães (70 km), teve 63 acidentes no primeiro semestre de 2018.

Na rodovia Mário Andreazza (MT-444), em Várzea Grande, o número foi de 53. A terceira rodovia com maior número de acidentes é a Palmiro Paes de Barros (MT-040), no Coxipó, que liga Cuiabá a Santo Antônio do Leverger (30 km), nela foram 52 casos com vítima.

Na estrada da Guia, a rodovia Helder Candia (MT-010), foram 38 acidentes, enquanto na BR-364 o número foi de 29 acidentes. O levantamento mostra ainda a Rodovia dos Imigrantes (BR-364), com 23 casos e a BR-070 com outros 18 acidentes com vítimas.

Ações da Semob

De acordo com a Semob, todas as vias onde foram registrados os acidentes, no caso de Cuiabá, possuem sinalização. A secretaria destacou ainda que possuem faixas de pedestres e semáforos. Em alguns casos, como as Avenidas Miguel Sutil e Fernando Corrêa da Costa, as vias ainda possuem radares. Além disso, as vias contam com o “monitoramento realizado pelos agentes de trânsito”.

A Semob também citou o trabalho de orientação e conscientização feito pelos agentes por meio de campanhas. É o caso do projeto Faixa Cidadã, que orienta nas regiões de escolas. Tem ainda o projeto de pilotagem consciente para motociclistas, que é gratuito e aberto à população.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Overdoze” de arte, literatura falada e noites latinas esquentam o fim de semana cuiabano
Próximo artigoMato Grosso pode prorrogar até outubro a proibição de queimadas