Atleta vende água e doces no semáforo para participar de campeonato mundial

A imagem de Kaike Angelim viralizou nas redes sociais. Junto a outros quatro companheiros "ocupa" semáforo da Mato Grosso aos sábados

À esquerda, Kaike e as duas medalhas do campeonato nos EUA e à direita, sob o sol de Cuiabá, no semáforo

Já não bastasse a dedicação ao esporte, que exige um bocado de superação por parte dos atletas, há outros desafios que eles precisam enfrentar. É o caso da falta de incentivo para participar de competições nacionais e internacionais.

Junto a outros quatro companheiros que sonham participar do Campeonato Mundial em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, o atleta de jiu jitsu, Kaike Angelim vem desenvolvendo diversas ações para materializar esse sonho.

A imagem de Angelim segurando um isopor e vendendo água no semáforo da Avenida Mato Grosso, em Cuiabá, viralizou na internet.

“A força de vontade te leva para qualquer lugar”, diz Angelim, que espera bancar a viagem com o lucro das vendas.

“Você é o único representante do seu sonho! Tudo é possível quando você acredita. Rumo a Abu Dhabi ”, dizia o post amplamente compartilhado.

Matheus Arantes, Diego Santos, Paulo Arruda e Júlio Santos somam forças e prometem ir ao semáforo todo sábado do próximo até o dia 13 de fevereiro, véspera da competição. Paralelamente, estão vendendo camisetas e uma “vaquinha virtual” foi criada para arrecadar fundos.

Kaike investiu os mesmos esforços no ano passado, quando foi para os Estados Unidos. “Eu nem sabia como iria. Não tinha nem visto. Mas eu decidi e me empenhei. Pude contar com a colaboração de muita gente que acreditou no meu potencial”.

O resultado? Ganhou duas medalhas, uma de ouro e outra de prata.

“E do mesmo jeito agora, vou me dedicar. Nem que tenha que dormir em tatame, como foi nos 30 dias que passei nos Estados Unidos, dormindo em uma academia”.

Kaike conta que mensalmente recebe o apoio de muitos investidores, mas que este valor é usado para treinamento, nutrição e alimentação. “Para que eu possa me dedicar exclusivamente ao esporte, no entanto, neste caso é muito mais difícil, pois o custo da viagem é alto”, conta o atleta que já tem no currículo outros dois esportes: kickboxing e muay thai.

“Há quatro anos migrei para o jiu jitsu e me encontrei”. O próximo passo, sonha, é se tornar um lutador de MMA.

Nesta semana, os atletas otimizaram a dinâmica. “Vamos levar uma faixa. Já ampliamos os produtos também”, sorri.

Tem jujuba, Halls e paçoca, além da água. As pessoas têm correspondido ao nosso apelo. Muita gente se sensibilizando, que compra e até quem só doa e não pega nada. É muita solidariedade”, diz, emocionado.

Pele descascando

Sobre permanecer no semáforo o dia todo, em Cuiabá, ele responde de maneira descontraída. “A pele está descascando da ação mais recente. É bem cansativo, mas sei que vai nos dar retorno”.

O rapaz aproveita o momento para agradecer aos parceiros que acreditam no seu potencial e os ajuda mensalmente. “Eu só estou classificado para este evento graças a eles”.

Um salve para os patrocinadores: Aster Máquinas, Fato Educacional e Colégio Fato, Gisele Vasques, Nuno Vasques, Movido Açaí e Dr. Shape Cuiabá. E também aos parceiros: Aka Cozinha Japonesa, a nutricionista, Camila Delgado; o professor de inglês, Marcelo Soares; ao fisioterapeuta Helmut José, à Fisio Health, ao médido Demetrio Kutschenko, ao estúdio de preparação física, Steel Work Out, à barbearia Raphael Hope Barber, ao massoterapeuta Het Lopes e por fim, ao dentista Rudiney Lara.

Quer ajudar? Mais informações pelo (65) 98475-2412.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGosta de uva? Governo reajustou preço mínimo da fruta em 11,96%
Próximo artigoHomem agride esposa por causa de torneira aberta, tem convulsão na viatura e ameaça policiais