Agente de combate a endemias transforma criadouros de mosquito em brinquedos

Materiais plásticos que podem acumular água viram bonecas, flores, potes decorados entre outros objetos nas mãos de Sílvia Maura

(Foto: Gustavo Duarte)

Sílvia Maura dos Santos Rodrigues é agente de combate a endemias há 20 anos. Dedicada à profissão, além de vistoriar imóveis e orientar os moradores quanto à necessidade de eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti, há cerca de 10 anos ela abraçou a causa da Educação em Saúde e, mais do que isso, encontrou na reciclagem de garrafas pet uma forma de conscientizar crianças sobre a importância de não deixar recipientes jogados acumulando água parada.

Com o material plástico, a servidora pública fabrica bonecas, flores, potes decorados, entre outros.

Tudo isso fazia parte do acervo utilizado nas escolas de Cuiabá, no projeto Saúde na Escola, antes da pandemia de covid-19. Nesta semana, com o lançamento do da oitava edição do projeto “Agentes Antimosquito”, uma parceria da Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ) e a rede de supermercados Comper, ela voltou a expor suas produções.

“São possíveis criadouros da dengue, então, como eu faço palestras nas escolas, pra orientar e incentivar as crianças, comecei a pesquisar brinquedos para falar a linguagem deles, fazer algo lúdico. Na pandemia, fiz mais brinquedos: tem as bonequinhas, utilizo a tampinha de garrafa, que é um dos criadouros que, às vezes, as pessoas não dão muita importância. A gente pede para as crianças aproveitar, não jogar fora”, afirma Sílvia.

Segundo ela, o objetivo dessas ações é compartilhar o conhecimento relativo à prevenção à dengue, zika e Chikungunya da forma mais atrativa possível e a aposta nas crianças visa uma cultura da prevenção que seja duradoura.

“A gente gosta do que faz. Palestra para as crianças acredito que é o alicerce, elas ficam mais entusiasmadas, elas procuram fazer porque você explica como lavar a caixa d’água, sobre o mosquito, sobre a doença, como é transmitido o vírus da dengue… Então, eles chegam em casa e dão o recado certinho. Com o adulto já é mais difícil, mas com criança é totalmente diferente”, relata.

A estudante Isadora Christ Sarris, 12 anos, teve a oportunidade de conferir a mesa expositiva da Vigilância em Zoonoses na loja do Comper no bairro CPA 1, no último dia 27, e elogiou a iniciativa. “Eu achei muito legal reutilizar porque ajuda muito o planeta ao não poluir os lagos, os rios. E é muito legal também porque é uma coisa muito criativa”, comentou.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior2021: Mais pessoas começaram a trabalhar em MT, mas com salário menor
Próximo artigoPF conclui que Bolsonaro não cometeu crime no caso Covaxin