“A filha tem o direito de saber que a mãe não se suicidou”, diz mãe de modelo que morreu no Chile

A reportagem do LIVRE ouviu a família, que se divide entre a dor da perda e a luta para saber o que aconteceu no dia 7 de julho

(Foto: Reprodução)

A morte da modelo e corretora cuiabana Nayara Vit, de 33 anos, trouxe mais do que dor para a família. Além de passar a viver sem a jovem alegre e de bem com a vida – como a mãe de Nayara, a educadora física aposentada Eliane Marcos Vit, 61 anos, descreve -, a família precisa enfrentar a incógnita sobre o que realmente aconteceu antes da queda da modelo do 12º andar de um prédio no Chile.

Nayara vivia no local com o namorado, o empresário da telefonia chilena Rodrigo Del Valle Mijac, de 56 anos.

A filha de Nayara ainda não sabe o que aconteceu com a mãe. Ela está com o pai, que mora em uma cidade vizinha a Santiago (Capital do Chile) e é o principal motivo pelo qual a família luta para descobrir a verdade.

“A filha dela tem o direito de saber que a mãe dela não se suicidou, que a mãe dela não a abandonou, que a mãe dela não a abandonaria jamais. Esse é nosso maior desejo hoje: provar isso e que os responsáveis sejam punidos”, disse Eliane Vit, mãe de Nayara.

Nayara, a filha e a mãe (Foto: arquivo pessoal)

Quem era Nayara?

Nascida em Cuiabá, onde a família morou por 14 anos, Nayara amava viajar – paixão que carregava no sangue, visto que o pai tinha descendência cigana. Conheceu muitos lugares do mundo, tanto em sua carreira como modelo, quanto viajando a passeio. Resolveu, então, morar de vez no Chile, por ter se apaixonado pelo país.

Lá se casou, teve uma filha, Gabriela, hoje com quatro anos, e se separou. Uma separação difícil, pois o ex-marido fez de tudo para que o relacionamento não acabasse. Ela passou por um processo agressivo para ficar com a guarda da filha e, por fim, ambos decidiram  dividir a guarda da criança.

Há seis meses, ela havia dado início ao relacionamento com Rodrigo Del Valle Mijac. À mãe, dizia que estava vivendo a melhor fase da vida.

“Ela dizia que tinha achado a pessoa da vida dela, o homem que sempre sonhou. E ela era apaixonada pela filha”, contou a mãe ao LIVRE.

Suicídio?

Um dos motivos que levam a família e os amigos a não acreditarem na tese de suicídio é o jeito de Nayara.

“Ela era uma pessoa totalmente alegre, de bem com a vida. Gostava de viver, gostava de festa, de estar com as pessoas. Ela não tinha nenhuma tendência à depressão. Estava sempre alegre. Ela já passou muitos momentos difíceis na vida. Essa carreira [de modelo] é complicada, teve muitas dificuldades, mas nunca, em nenhuma dificuldade, ela disse que gostaria de tirar a vida por alguma razão”, disse a mãe.

Depois do nascimento da filha, Nayara abandonou aos poucos a carreira de modelo e  estava trabalhando como corretora de imóveis.

Nayara começou a carreira de modelo aos 15 anos (Foto: arquivo pessoal)

7 de julho

No dia em que Nayara morreu, a mãe falou com ela cerca de três horas antes da queda do prédio. Eliane havia perdido uma cadela em uma cirurgia, estava muito triste e a filha a consolou durante uma chamada de vídeo.

Nayara estava na casa de amigos. Ela contou à mãe que a filha, Gabriela, estava relutante em ir para a escola e, por isso, havia faltado naquele dia. Também comemorou que as academias iriam voltar a abrir e disse que tinha ido ao shopping comprar um tênis. Contou ainda que a filha havia feito birra e que, por isso, a havia deixado com a babá em casa, para ir à casa dos amigos.

Antes de desligar, Nayara mostrou os amigos para a mãe e disse que logo iria para a casa do namorado. A modelo tinha seu próprio apartamento, porém estava passando a maior parte do tempo morando com ele.

A mãe perguntou por Rodrigo e a filha desconversou, disse que ele estava trabalhando. Eliane afirmou ao LIVRE que estranhou a resposta, mas deixou o assunto de lado.

A notícia

A conversa foi por volta das 18h30 do dia 7 de julho, data em que Nayara morreu. Na madrugada do dia 8, a família foi comunicada sobre a morte.

O primeiro a ser comunicado foi o ex-marido de Nayara, Oscar. Rodrigo ligou para ele e disse que Nayara havia se jogado da sacada e estava morta.

Oscar, a princípio, achou que fosse uma brincadeira. Assim que se deu conta de que era verdade, saiu de sua cidade, Viña Del Mar, e foi em direção a Santiago, onde Nayara morava.

Antes, porém, ligou para o pai de Nayara, Allen Marcos Vit, contou o que havia acontecido e disse que estava indo ao local imediatamente.

Ele ligou também para os ex-cunhados. Nayara era a irmã caçula de uma família com outros dois filhos. Quem comunicou a mãe de Nayara foi o atual marido dela, que estava em outra cidade.

Nayara e o pai (Foto: arquivo pessoal)

Busca pela verdade

Para a mãe da modelo, a palavra suicídio pesa e não encaixa, quando ela pensa na filha. “Eu tinha falado com ela há algumas horas e estava tudo bem. Minha filha nunca escondeu de mim que estava triste ou tendo problemas. A palavra suicídio me caiu muito estranha”.

Desde o dia 7, Eliane tem lutas diárias. Primeiro, tentou ir para o Chile – o que a família não conseguiu, devido à pandemia. Depois para saber o que, de fato, aconteceu naquela noite.

A família afirma ter estranhado atitudes de Rodrigo. Ele estava com Nayara no momento da morte. A primeira suspeita é o fato de ele não ter comunicado a família imediatamente.

Após receber a notícia pelo ex-marido da filha, o pai pegou o número de Rodrigo e ligou cerca de quatro vezes. Rodrigo não atendia. O pai, então, mandou mensagens no WhatsApp dizendo que precisava falar com ele, que queria saber o que havia acontecido. Só após 30 minutos de insistência Rodrigo retornou o contato.

“O pai percebeu que tinha alguém, uma pessoa do lado, orientando o que era para ele falar. Um choro muito falso, falando: ‘Ai, o senhor me perdoa'”, conta a mãe de Nayara.

“A gente não tinha relacionamento nenhum com ele, mal o vi na câmera. Nunca conversamos. ‘Senhor me perdoa, eu tinha que proteger a Nayara, mas não consegui’. Aí meu ex-marido falou: ‘Mas como assim?'”, ela continua.

Segundo Eliane, Rodrigo descreveu que estava sentado no sofá quando Nayara passou pelo corredor, depois por ele e foi para a sacada, de onde teria se jogado.

“Aí meu marido perguntou: ‘Como? Ela estava dormindo, levantou, sonâmbula? Como?’. Ele falou: ‘Não, ela estava depressiva, já tinha três meses. Ela já tinha tentado se matar duas vezes'”, ela continua.

“Meu ex-marido percebeu que tinha alguém falando para ele dizer isso. A gente sabe que não é verdade. Então, por todas essas falas, fomos achando que alguma coisa estava errada, que não podia ser verdade”, disse a mãe de Nayara.

A vida da neta

Na manhã seguinte, a família falou com o ex-marido da filha, Oscar, que havia ido até o apartamento de Rodrigo buscar a filha e o cachorro de Nayara. Segundo Eliane, Oscar relatou que Rodrigo não demonstrou qualquer emoção.

“Uma pessoa que dizia que amava a outra deveria estar desesperado, como ele, o ex-marido, estava desesperado com a situação”, relatou Eliane.

Oscar também contou à mãe de Nayara que Gabriela perguntou o que estava acontecendo, visto que a polícia estava na casa. Ele respondeu que era somente por causa de barulho e que, por isso, ela precisaria ir embora com ele.

Como o ex-casal tinha guarda compartilhada, a criança foi com o pai sem estranhar.

Gabriela dormia com a babá quando a queda aconteceu e não viu nem ouviu nada. A babá, no entanto, segundo a mãe de Nayara, relatou para Oscar que ouviu um vaso cair e, logo em seguida, escutou um grito de Nayara. Depois, o corpo dela caiu.

“Não foi chamada a perícia. Em menos de duas horas, o ex-marido estava lá e já haviam retirado o corpo e não haviam feito a perícia, só estava a polícia lá e mais nada”, relatou Eliane.

(Foto: arquivo pessoal

Procuração e enterro

Diante de tudo, a família resolveu mandar uma procuração, através da embaixada brasileira, para que Oscar ficasse responsável pela retirada do corpo de Nayara do Instituto Médico Legal (IML) no Chile.

A princípio, eles queriam trazer o corpo para o Brasil e enterrá-la ou cremá-la e jogar as cinzas no mar brasileiro, como era desejo da modelo.

A família também sugeriu que Oscar contratasse um advogado para fazer uma checagem no laudo e pedir uma perícia, que não havia sido feita. Mas demorou três dias para que o ex-marido conseguisse a perícia através da embaixada.

“Aí o Oscar descobriu que o atual namorado já tinha feito, na própria noite, limpeza no apartamento, já tinha mudado móveis de lugar. O vizinho de baixo falou”, conta Eliane.

“Passados dois dias, ele já tinha ido no IML e tentado retirar o corpo para cremá-lo, alegando que ele vivia com ela, que ele que era responsável e que ela não tinha família no Brasil. Isso, para nós, é mais uma prova que ele queria eliminar provas”, ela continua.

A mãe de Nayara diz que a família acredita que o casal pode ter brigado naquela noite.

“Ele pode, inclusive, ter jogado esse vaso nela. A gente não sabe e gostaria de saber. É esse o nosso desejo: saber o que realmente aconteceu. Eu gostaria muito de esclarecer, não só para nós, mas principalmente para a filha dela”.

Enterro no Chile

A família se reuniu e decidiu não mais trazer Nayara para o Brasil. Ela foi enterrada em Santiago, no Chile, para o corpo ficar perto da filha, que será criada pelo pai. Eles querem que Gabriela possa visitar a lápide da mãe quando quiser.

O enterro de Nayara acontecerá nesta quinta-feira (22), às 16 horas, horário de Brasília, no cemitério Parque Del Recuerdo Américo Vespúcio.

“Nós abrimos mão de trazer o corpo dela para junto de nós. Preferimos deixar junto da filha dela. Não achei justo a gente, nessa hora, ter o egoísmo de querer ela junto da gente”.

Nayara e a filha Gabriela (Foto: arquivo pessoal)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá sedia campeonato de Free Fire em agosto
Próximo artigoHomens são as principais vítimas de golpes financeiros, diz pesquisa