80% dos mato-grossenses já relaxaram quanto às medidas de segurança contra a covid

Menos de 20% da população ainda seguem rigorosamente os cuidado recomendadas no período mais críticos da pandemia

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Passados sete meses do registro do primeiro caso de vocid-19 em Mato Grosso, quase 80% da população ainda mantém algum cuidado para evitar o contágio pelo novo coronavírus, mas somente 690 mil pessoas continuam com restrições rigorosas, a exemplo do período mais crítico da pandemia. 

Os dados são da Pnad Covid-19 divulgada na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a levantamento feito em setembro. 

A grande maioria das pessoas, dentre as que continuam a cumprir as regras sanitárias, passaram a sair de casas com frequência variada. Cerca de 1,5 milhão, 44,1% da população, reduziu o contato com outras pessoas, mas saíram de casa. Outras 1,1 milhão (33,8%) reduziram o contato e só saíram de casa por necessidade básica. 

Aqueles que cumpriram rigorosamente as medidas sanitárias de segurança somaram 690 mil ou 18,8% da população de 3,3 milhões de habitantes. 

Teste 

Até setembro, 408 mil pessoas em Mato Grosso já haviam passado por algum de teste para diagnosticar o contágio pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia. 

Esse grupo representa 11,7% da população, sendo a maioria de mulheres. Elas somaram 209 mil pessoas testadas e os homens, 199 mil.

De agosto para setembro, o registro de casos positivos passou de 79 mil para 119 mil (3,4% da população).

Contudo, 144 mil mato-grossenses apresentaram algum sintoma da covid-19 em setembro. Foi o número mais baixo dos últimos três meses.

Conforme a pesquisa, 176 mil apresentaram algum sintoma em agosto e 262 mil em julho.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz
Próximo artigoProjeto equipara desmatamento no Pantanal a danos à Mata Atlântica