Vacinas: Cuiabá vai consultar Butantan e Fiocruz sobre compra de doses extras

Pinheiro diz que tenta se preparar para cobrir eventual quebra no cronograma de imunização planejado pelo Ministério da Saúde

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O prefeito Emanuel Pinheiro vai consultar o Instituto Buantan e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sobre as condições para compra de doses extras de vacinas contra a covid-19. Um representante oficial do município deve ser enviado a São Paulo ainda nesta semana em busca de informações. 

Conforme o prefeito, a intenção é saber quando outras unidades federativas poderão entrar na concorrência por doses, tanto da CoronaVac quanto da produzida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. 

“A compra hoje está restrita ao governo federal, mas queremos saber do Butantan e da Fiocruz quando e quantas doses os municípios poderão comprar para incrementar a campanha. Eu sigo a linha de segurança de compra pelo Ministério da Saúde, mas não quero que Cuiabá fique para trás na vacinação”, disse. 

Pinheiro disse que reconsiderou o planejamento de se ater à distribuição do Ministério da Saúde após informações de que o Instituto Butantan e a Fiocruz poderão ter um lapso na produção por falta de insumos. 

Outro fator apontado pelo prefeito foi a situação de incerteza sobre como serão as próximas fases de vacinação no país. Pelo cronograma atual, a aplicação do primeiro lote da CoronaVac encerra em fevereiro, considerando o prazo de 14 a 28 dias para a aplicação da segunda dose. 

Estados receberam o quantitativo para a primeira e a segunda doses, conforme o critério do Ministério da Saúde, e repassam aos municípios de acordo com o andamento da campanha. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVárzea Grande decreta emergência e altera horário do comércio
Próximo artigoEm busca de consumidores: mercado africano pode ser o novo alvo do agronegócio de MT