Último a ser ouvido, Arcanjo é o único a falar e nega esquema

Arcanjo esclareceu todos os pontos questionados, mas Polícia Civil ainda descarta sua inocência

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O ex-comendador João Arcanjo Ribeiro, acusado de retomar a liderança da organização criminosa Colibri, que comandava os jogos de azar em Mato Grosso, passou por interrogatório na Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), na tarde desta quinta-feira (6), e negou seu envolvimento nos crimes.

Arcanjo chegou à sede da GCCO por volta de 13h40, de colete à prova de balas, e foi ouvido por mais de duas horas pelos delegados Luiz Henrique Damasceno e Juliana Chiquito Palhares. Da Colibri, ele foi o único a falar.

Segundo o advogado de Arcanjo, Zaid Arbid, o “momento” foi necessário para que o acusado pudesse esclarecer todos os pontos levantados pelas investigações da Polícia Civil. A defesa do ex-comendador também tornou a afirmar para a imprensa que Arcanjo não tem ligação com o jogo do bicho e que os delegados não possuem provas concretas contra seu cliente.

De acordo com o delegado titular da GCCO, Flávio Stringueta, durante seu depoimento, Arcanjo teria informado que, em seu estacionamento localizado na Avenida do CPA, ele apenas administrava sua empresa. O local foi alvo de busca e apreensão da Polícia Civil na manhã do dia 29 de maio, quando foi deflagrada a operação.

Em uma das empresas do prédio onde fica o estacionamento, a polícia encontrou planilhas e documentos relacionados ao jogo do bicho. Para o delegado, as provas apontam em direção contrária ao depoimento de Arcanjo.

“Isso é indício, sim, de que ele tinha conhecimento. O escritório dele ficava no mesmo prédio em que funcionava a central da Colibri, então não vejo como não relacioná-lo ao jogo do bicho”, frisou o delegado.

Conforme Stringueta, a Polícia Civil deve encaminhar nessa sexta-feira (7) o inquérito policial referente a operação. Os documentos serão analisados pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público.

A Operação

Deflagrada no dia 29 de maio para apurar esquema de lavagem de dinheiro e jogos ilegais em Mato Grosso, por duas organizações, a operação recebeu o nome de Mantus, que, da mitologia etrusca, é conhecido como o Deus do azar, uma vez que chamava atenção de suas vítimas através de jogos, roubando, assim, suas almas.

A operação resultou no cumprimento de 30 mandados de busca e apreensão e no pedido de prisão de 33 pessoas, sendo que 29 foram cumpridos. Entre os presos estão o próprio João Arcanjo Ribeiro, seu genro Giovanni Zem Rodrigues, e o empresário Frederico Muller Coutinho, que chefiava a organização Ello/FMC, principal concorrente do ex-comendador.

Giovanni Zem foi apontado pela investigação como líder da Colibri junto de Arcanjo, passou por interrogatório na terça-feira e permaneceu calado. Sua defesa, patrocinada pelo advogado Ulisses Rabaneda, já entrou com pedido para a liberdade do empresário.

Frederico Muller, por sua vez, foi interrogado na manhã de quarta-feira (5) e também se recusou a colaborar com a polícia.

Confira outros destaques sobre a Operação Mantus:

Funcionários de Arcanjo têm receio pelo histórico de violência, diz delegado

Funcionário de rival de Arcanjo delata esquema, mas líder fica em silêncio

Defesa nega liderança em esquema e pede liberdade para genro de Arcanjo 

Membro de organização rival de Arcanjo confessa participação e delata esquema 

Defesa de gerente da Colibri diz que faltam provas sobre esquema de jogos

Membros de organização se chatearam com chefe que “retirava dinheiro demais”

Dinheiro na casa de Arcanjo era lícito e de recebimento de terceiros, diz advogado

Homens de Arcanjo teriam dito que “Mato Grosso tem dono” a rival sequestrado

Saiba quem é quem na organização que levou Arcanjo de volta à prisão

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS