Sportainment: O diferencial para gestão qualificada dos clubes mato-grossenses

Símbolos do Brasil e da Seleção Brasileira de futebol provoca menos interesse (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Sem dúvidas, o esporte é uma das maiores paixões do brasileiro. Aquele que faz sofrer, rir, se emocionar, ter esperança de um futuro melhor, às vezes se tornar um pesadelo… realmente é uma mistura de emoções e talvez seja esse o segredo. Para que essa chama se mantenha acesa, é preciso pensar em evolução, pensando em como se aproximar cada vez mais do torcedor. E certamente a resposta está na GESTÃO e no SPORTAINMENT.

O Sportainment é a junção de sport e entertainment, ou seja, esporte e entretenimento, com o objetivo de encantar e tornar momentos inesquecíveis por meio da construção de espetáculo em uma disputa. O esporte como um todo passa a deixar de ser passivo e tem a preocupação de trazer a experiência focada na estratégia de Consumer Centric, assim a preocupação passa a ser focada naquilo que o espectador espera, sente e precisa.

Alguns podem dizer que tem que continuar a ser do jeito que é. Entretanto, é só parar para pensar o quanto nossa sociedade mudou, no consumo de conteúdos digitais e a necessidade de buscar serviços cada vez mais personalizados.

O futebol, assim como outros esportes, está deixando de ser uma marca na camisa, chuteiras chamativas ou simplesmente venda de ingressos, assistir e voltar para casa. O Sportainment é mais do que simples 90 minutos. É eternizar momentos e buscar aquele sentimento de que “quem não foi, perdeu”.

Além do próprio torcedor que deve levar cada jogo como único, a intenção é trazer as marcas para dentro e revolucionar o marketing esportivo, já que elas podem explorar cada vez mais a atenção do público combinada a uma paixão.

O espectador necessita de experiências orgânicas complementares como sociabilidade, networking, comunidade, lazer e etc. Participar destas inúmeras opções, conduzem-nos a monetização por parte de todos envolvidos. Mas se faz necessário inovações e adaptações as novas necessidades e preferências das novas gerações. Dessa visão holística e integrada da indústria, surge o Sportainment.

Conceito esclarecido. Como executar isto? Gestão!

A fase atual do futebol fora de campo é de transformação. Estamos em um período em que se fala sobre SAFs (Sociedades Anônimas do Futebol), criação da Liga, entrada de investidores, reestruturação de passivos. Possibilidades de grandes mudanças em direção à modernidade.

Sim, modernidade! Basta acompanhar comentários nas redes e nas conversas de bar – felizmente estão voltando – para ouvir repetidamente à exaustão: “Futebol de São Paulo/Rio de Janeiro parece outro esporte. Só vem pra cá as sobras.” Quanto mais percebemos a diferença, maior a distância. Quanto mais demorarmos para mudar o cenário local, mais difícil transformar o futebol que se pratica aqui, no mesmo que se pratica em outros lugares.

E essa mudança passa necessariamente por aspectos esportivos e de gestão. Esportivamente precisamos praticar jogos mais qualificados. O “outro esporte” que se vê, é qualidade de quem joga e entende o jogo, de quem orienta e principalmente de quem prepara. Não são os números de camisa padronizados ou a sequência de câmeras de transmissão, nem mesmo os efeitos gráficos. É o jogo. São os 90 minutos.

Porém, só é possível apresentar atletas e profissionais qualificados, se tivermos fora de campo um ambiente que permita acesso a dinheiro e a profissionais que sejam devidamente preparados e entendedores do produto futebol. O romantismo é bonito, mas como diria minha mãe, não enche barriga.

O dinheiro começará a chegar de forma consistente no futebol mato grossense, mudando sua estrutura, se for fruto da mudança estrutural de gestão. Existe uma sequência lógica para esta mudança. Por mais que a construção no caos possa gerar resultados, se ela for conduzida de forma organizada tende a ter sucesso mais rápido e consistente.

E essa lógica passa necessariamente pela organização da indústria (futebol, marketing, financeiro). Isto significa trabalharmos na criação de um campeonato capaz de operar em conjunto com as instituições como a CBF. Não há campeonato no mundo que opere distante da federação nacional, pois há aspectos da indústria que precisam ser geridos por terceiros. O campeonato não pode ser imposto e desenvolvido de fora pra dentro. É um instrumento que precisa ser formatado a partir dos clubes, a fim de garantir seus interesses. Mas como agir desta forma, se nossos clubes não possuem departamentos criados para operar o produto futebol? Se não possui profissionais inseridos dentro do clube que reproduzam a teoria na prática?

Dificilmente investidores chegarão ao futebol mato grossense com cheques polpudos, antes de termos uma indústria organizada e com clubes equilibrados. Inclusive porque há inúmeras opões no mercado. Vale mais quem tem mais a oferecer.

E mais a oferecer não é cair na conversa daqueles que não entendem do que estão falando (os consumidores do amadorismo), dando como exemplo que o futebol é um lugar pouco confiável porque “meu primo é conselheiro de um clube e falou um monte de coisas”, pode ter certeza de que não é esse pessoal que vai ajudar.

Quem pode fazer mais por este processo são aqueles que conhecem as estruturas de um futebol de alto nível. Suas mazelas, suas fortalezas, seus riscos e oportunidades.

O que uma gestão qualificada precisa saber e repassar aos investidores, para transformar o ambiente amador em um ambiente propício para bons resultados é o que podemos chamar de “ambiente de negócios”. E aqui podemos resumir isto em 4 pilares: Localização, Torcida, Demonstração financeira, Ambiente Político.

Sem entender o mínimo disto, o que acontecerá é a repetição de erros do passado, baseados mais no achismo do que na capacidade, transformando num ciclo vicioso.

Os envolvidos precisam estar imbuídos de um espírito cooperativo e um entendimento de que este é o momento de fazer diferente e melhor, sendo protagonista da mudança.

Não adianta um pacote bom na prateleira errada. Não é sobre um clube ou organização. É sobre todo um ecossistema. A pergunta não deve ser sobre o comprador, mas sobre o que se vende. É sobre o produto final!

A IFAB (órgão responsável pelas regras do jogo) já discute o aumento do intervalo de jogo de 15 para 25 minutos em uma tentativa de acomodar programas de entretenimento no estilo do “Super Bowl”. Finalmente começam a entender o que é o Sportainment.

Nesse sentido, já existem outros passos do Sportainment. Fora aprovada a MP 984, assinada em 18 de junho de 2020, que altera principalmente o artigo 42 da lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, que diz respeito sobre as regras de direitos de transmissão. A partir dessa Medida Provisória, os times mandantes podem negociar com a plataforma ou emissora que preferirem.

Tendo clubes unidos com boas gestões, um campeonato chamativo e pessoas qualificadas, fica claro que a MP 384 será mais do que sobre direitos de transmissão, é a abertura para a discussão do sportainment e incentivo a sociedade a buscarem mudanças, porque aqueles que não entenderem esse novo momento, vão perder espaço e dinheiro em um futuro próximo.

Uma simples placa em campo já não é há muito tempo a coisa mais lembrada pelo torcedor, isso aliás, nem é mais considerado marketing. O verdadeiro sentido de construir uma lembrança afetiva – e é isso que está em jogo para as empresas – é tornar momentos inesquecíveis através de experiências, trazendo o torcedor para dentro.

Não se trata de inventar nada ou de construir modelos incertos. Trata-se de aplicar modelos adaptados a nossa realidade. Por isso, o melhor caminho é fomentar cada vez mais as discussões acerca do assunto e os benefícios para toda a cadeia, que começa pelos clubes, federação, jogadores e envolve torcedores, patrocinadores e a sociedade em geral.

Já passou da hora do mundo conhecer ainda mais o potencial do esporte e do entretenimento do Mato Grosso. Sportainment é marcar território internacionalmente, fortalecer os times e estabelecimentos relacionados, fazendo com que o segmento tenha a alma e fisionomia de um verdadeiro entretenimento imperdível.

Essa deve ser a nossa luta: Fortalecer o setor, para que cada vez mais os benefícios do Sportainment sejam conhecidos. Provocar mudanças importantes e necessárias que devem impactar o futuro e a forma como é visto o cenário estadual.

Não é utopia, é questão de quando será realidade!

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCPI pede indiciamento de 34 pessoas e empresas por milhares de remédios vencidos
Próximo artigoPantanal Shopping: clientes com compras acima de R$ 350 ganham panettone de brinde