Projeto pode transformar o pequi em patrimônio cultural imaterial

Para deputado, fruto faz parte da culinária, da cultura, das formas de expressão e do modo de viver de muitos brasileiros

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre

Amado por uns, odiados por outro, o pequi pode se tornar Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. A proposta foi apresentada pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO) e é avaliada pelos demais congressistas.

O pequi é típico da culinária, da cultura, das formas de expressão e do modo de viver de Estados do cerrado brasileiro, mas também é querido por brasileiros de outras localidades.

“Se antes o fruto tinha baixo valor de mercado, dada a abundância das safras somada à pouca divulgação e do consumo majoritariamente in natura, hoje, sua crescente popularidade tem levado as atividades de extrativismos e beneficiamento”, afirma o deputado.

O fruto também é conhecido como: piqui, pequiá, piquiá, piquiá-bravo, amêndoa-de-espinho, grão-de-cavalo, pequiá-pedra, pequerim e suari. Seu significado na língua indígena é “casca espinhosa”.

Do caroço desta fruta é extraído o óleo e a partir dele é produzido o biodiesel e 50% deste corresponde ao óleo vegetal, que tem uma composição química adequada para a produção de biodiesel.

No ano passado, Mato Grosso colheu cerca de 200 toneladas de pequi. O principal produtor é o município de Ribeirão Cascalheira. A comercialização do pequi pode gerar uma renda de R$ 200 mil para o município em apenas três meses.

No Estado, foram encontradas quatro variedades, na região da Baixada Cuiabana o pequi de tamanho pequeno e o mais consumido na culinária; de tamanho médio, em Barra do Garças; o grande, em São Félix do Araguaia e o pequi sem espinho é encontrado no Xingu, na reserva indígena.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCervejaria Petrópolis inicia venda de lúpulo cultivado no Brasil
Próximo artigoAmoêdo perde apoio dentro do Novo e pode não disputar eleições de 2022