Por que não tributar?

Ninguém tem dúvidas de que a Agricultura foi e é a grande responsável pelo enorme desenvolvimento do nosso Estado. Isso é inquestionável. Da mesma forma, ninguém duvida que a Lei Kandir foi fundamental para que esse desenvolvimento fosse possível, além, é claro, de muito trabalho e luta dos nossos produtores.

Mas será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo vigente realmente está contribuindo para o progresso da nossa sociedade? Da nossa gente? Será que esse modelo de desoneração da nossa produção ainda atende aos interesses púbicos? Será que após mais de 20 anos de renúncias e incentivos nossos produtores ainda precisam disso? Isso merece uma discussão ampla e transparente com a sociedade.

É certo que o tratamento fiscal das exportações brasileiras segue a prática mundial e busca a desoneração dos tributos indiretos sobre as exportações. A Constituição Federal de 1988 definiu que não incidem sobre as exportações brasileiras o IPI (art. 153, §3º, III), o ICMS (art. 155, §2º, X, “a”) e as Contribuições Sociais e de Intervenção no Domínio Econômico, tais como o Programa de Integração Social e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público – PIS/PASEP e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS (art. 149, §2º, I). 

Além de não incidirem sobre o faturamento das exportações, o exportador mantém o direito ao crédito gerado pela incidência desses tributos federais sobre a aquisição dos insumos empregados nos produtos exportados. Com essa regra, todos os valores correspondentes a esses tributos não devem compor o preço do produto final exportado e ainda devem ser devolvidos aos exportadores. Um benefício financeiro a mais para quem exporta.

Além disso, as regras atuais em relação a tributação de Imposto de Renda daqueles que exercem a atividade agropecuária favorecem a inexistência de impostos a recolher e, quando há receita a tributar no Ano Calendário Fiscal, incide-se uma alíquota de 5,5%, enquanto que para os não produtores, a alíquota de Imposto de Renda pode-se chegar a 27,5%, no caso de pessoa física. A alíquota de 5,5% deveria ser para todos. 

No campo dos tributos estaduais, além da desoneração prevista no texto Constitucional dos produtos exportados, a Lei de Diretrizes Orçamentária – LDO de 2019 do Estado de Mato Grosso, destinou quase R$ 2 bilhões de incentivos para o segmento do Agro, além da isenção dos grãos exportados.

Cito alguns deles: R$ 362 milhões para alimentos e carnes; R$ 447 milhões para a Indústria da Soja; R$ 70 milhões para o Proalmat (Algodão); R$ 340 milhões para aquisição de máquinas agrícolas; R$ 121 milhões para produtos vegetais; R$ 93 milhões para o Biocombustível; R$ 29 milhões para produtos têxteis; R$ 182 milhões para a soja; R$ 273 milhões para a saída interestadual da carne; R$ 38 milhões para o óleo de gomado da soja; e, pasmem, R$ 18 milhões para compra de aeronaves.

Esses dados são insuficientes para formar convicção de que se deve ou não tributar a nossa produção agrícola. Mais são suficientes para uma discussão ampla e transparente com a sociedade. Tenho apenas uma convicção: esse modelo precisa ser rediscutido, nada pode ser para sempre em matéria de renúncia de receita. 

Sei que o tema é bastante controvertido e merece muita responsabilidade na tomada de decisão. Mas essa discussão deve ser transparente e envolver toda a sociedade, especialmente em um cenário de crise em que vivemos.

Trata-se de uma discussão que deve-se considerar não apenas os resultados das contas públicas estadual e nacional, mais especialmente a capacidade de efetivamente a agricultura gerar progresso em nosso Estado. Progresso para todos!!!

Emanoel Gomes Bezerra Júnior, advogado, especialista em Direito Tributário e em Direito Processual Civil; MBA em Gestão Empresarial – FGV e MBA em Direito do Estado e Controle Externo – FGV.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPara não ter veículo apreendido, funcionário de vereador de VG oferece dinheiro a policiais
Próximo artigoCasal flagrado sem roupa e em ato sexual na rua é conduzido a delegacia