Plástico em segundo lugar: bitucas de cigarro são a maior parte do lixo das praias brasileiras

Projeto Lixo Fora D’Água encontrou mais de 200 mil em um trecho de apenas oito quilômetros

(Foto: Reprodução)

Em oito quilômetros, mais de 200 mil bitucas de cigarro. O resíduo deixado por fumantes é equivalente a mais de 40% de todo o lixo coletado nas praias brasileiras. Perde somente para os materiais plásticos, que podem ter origem bem mais variada.

Pedaços de plástico filme, pequenos tubos como os usados nos pirulitos e isopor somaram 52,5% do material descartado irregularmente no litoral do país.

A pesquisa foi feita pelo projeto Lixo Fora D’Água, que visa combater as fontes de poluição marinha por resíduos sólidos. Um ideia que partiu da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) e contou apoio de instituições internacionais.

O projeto existe desde 2018 e identificou que as três principais origens do lixo chega ao mar são: as comunidades nas áreas de palafitas, os canais de drenagem que atravessam a malha urbana e a própria orla da praia, em sua faixa de areia.

Aliás, indicadores internacionais mostram que cerca de 80% do lixo marinho tem origem no ambiente terrestre.

No Brasil, mais de dois milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos vão parar nos rios e mares todos os anos, quantidade suficiente para cobrir sete mil campos de futebol.

Além das bitucas de cigarro e dos pedaços de plástico, o projeto Lixo Fora D’Água identificou que, a cada oito quilômetros de litoral, o banhista – e os animais marinhos da região – dividem espaço com 15 mil lacres, tampas e anéis de lata e 7 mil palitos de sorvete e churrasco.

Operação Areia Limpa

Com base nos números do levantamento, a Abrelpe decidiu criar a Operação Areia Limpa, que começa no dia 25 de janeiro e vai se estender ao longo de 30 dias em sete cidades litorâneas do país.

As escolhidas foram: Santos (SP), Balneário Camboriú (SC), Bertioga (SP), Fortaleza (CE), Ipojuca (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Luís (MA).

Nelas, duas barracas serão escolhidas para receber um kit de combate ao lixo. Ele inclui mesas com lixeiras, taças e copos retornáveis (para substituir os de plástico), canudos que se decompõe, carrinho coletor para limpeza do entorno e, claro, bituqueiras feitas de bambu.

Haverá ainda placas sinalizadoras e um “cardápio” com informações sobre o descarte correto do lixo e a operação que será realizada.

“Mais do que limpar praias e retirar resíduos do oceano, o plano de ação permitirá às cidades o desenvolvimento de melhores práticas para evitar que os resíduos continuem a poluir o estuário e a orla”, avalia o diretor presidente da Abrelpe, Carlos Silva Filho.

Para essas cidades também serão elaborados diagnósticos individualizados do lixo depositados em suas praias.

(Com informações da Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorViúva Negra pode não ser tão feminista quanto Capitã Marvel
Próximo artigoPovoado de Michigan compra “cheirador” de maconha para detectar plantações ilegais

O LIVRE ADS