País precisa de credibilidade para crescer, diz Santos Cruz

Para o ministro, o Brasil está traumatizado pela corrupção

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, disse hoje (8) que para a economia brasileira ter um crescimento acelerado é necessário recuperar a credibilidade do país. Para o ministro, o Brasil é atualmente um país traumatizado pela corrupção.

“Na visão do governo, para que tenhamos um desenvolvimento acelerado, é preciso que se tenha uma sensação de credibilidade. É um processo que não pode cheirar a irregularidade em um país que vem traumatizado por corrupção e bandalheira: é o que vemos todos os dias nos jornais há mais de dez anos e com [desvios de] valores fantásticos”, afirmou.

O ministro participou do seminário Desestatizações no Setor Elétrico: distribuidoras federalizadas, o papel do BNDES e parceiros institucionais. A avaliação do ministro é que o país tem de reverter o quadro atual para que possa recuperar a capacidade técnica de seus quadros na elaboração de projetos.

“Temos que reverter esse quadro para que se tenha confiança na capacidade técnica de nossos quadros. É surpreendente a qualidade técnica do nosso funcionalismo. Nós temos um quadro de funcionários públicos maravilhoso. Quase 100% do meu pessoal é de funcionários públicos de altíssima qualidade”, afirmou.

O evento sobre a privatização de empresas do setor elétrico, realizado na sede do BNDES, contou com a presença do ministro de Economia, Paulo Guedes, do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro, do secretário de Desestatização e Desinvestimento, Salim Mattar, e do presidente do BNDES, Joaquim Levy.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProjeto Judô Bope ganha novo espaço para atender mais crianças
Próximo artigoGuedes indica economista do Banco Mundial para presidência do IBGE

O LIVRE ADS