Outubro Rosa: do medo do diagnóstico às dificuldades do tratamento

Quimioterapia é um dos processos dos quais os pacientes mais têm medo, devido aos efeitos colaterais

(Foto: Freepik)

Estima-se que 560 novos casos de câncer de mama serão registrados em Mato Grosso até o final de 2020. Cuiabá, a Capital, deve concentrar 160 desses pacientes. Os dados são do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

Em outubro, o mês de prevenção à doença o alerta é voltado para o autoexame, que ajuda no diagnóstico precoce e tratamento adequado.

A jovem Cleiciele Tais de Carvalaho, de 27 anos, não perdeu tempo após o diagnóstico: retirou a mama e iniciou o tratamento de radio e quimioterapia no Hospital São Matheus, em Cuiabá.

Ela descobriu o câncer durante um período tido como especial para a maioria das mulheres: ao amamentar o segundo filho.

Segundo ela, a desconfiança veio com a dor durante a amamentação. Nenhum nódulo foi detectado durante o autoexame. Foi só quando o filho completou nove meses de vida que o “pequeno caroço” apareceu, em março de 2019.

LEIA TAMBÉM

A preocupação veio quando o nódulo começou a crescer. Mesmo assim, o diagnóstico de câncer nunca passou pela cabeça da paciente. “Não tinha sintomas, não desconfiei”, diz.

Logo depois, porém, os sinais ficaram mais evidentes: o seio latejava e veio a dor no mamilo, que também retraiu.

(Foto: Arquivo Pessoal)

“Não foi fácil. O resultado era de um câncer de mama agressivo. O médico logo pediu para fazer a cirurgia. Fiquei com muito medo por causa dos meus filhos e pela minha família”, conta.

Tratamento e vaidade

“O mais difícil foi ficar careca”. É assim que Cleiciele define o procedimento do tratamento.

“A quimioterapia deixa a pessoa muito fraca, caem todos os cabelos, a pessoa só fica enjoada, passando mal. Foi a pior parte, porque mexe muito com a autoestima. Em alguns lugares, os olhares são involuntários”, ela conta.

O período foi superado com a ajuda e apoio da família. Até porque as superações ainda não haviam acabado. Foram mais duas cirurgias para retirar resíduos do câncer e ainda houve um diagnóstico de covid-19.

“É muito triste quando se fala em câncer, porque pensamos logo em morte. Mas logo recebi muito apoio da minha família. Hoje, estou superando”, diz.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIdoso morre durante voo de Cuiabá para São Paulo
Próximo artigoVacina contra a covid-19 será distribuída para MT em janeiro