O momento pede equilíbrio e razoabilidade

Precisamos pesar todos os aspectos envolvidos na questão do coronavírus, de maneira racional

O mundo vive hoje o que talvez seja a pior ameaça à saúde da população na contemporaneidade.

Estamos dentro de uma pandemia sem precedentes, exceto por infestações históricas como a da Gripe Espanhola, que no início do século 20 infectou um quarto da população mundial, ou a Peste Negra do século 14, que estima-se tenha causado centenas de milhões de mortes.

É certo que ela vai se alastrar e acometer praticamente todo o planeta, como aliás já está acontecendo – dados recentes mostram que já são 194 países e territórios afetados oficialmente. No entanto, temos que conter seu avanço rápido. Daí a importância da quarentena, isolamento ou contenção.

Não resta a menor dúvida, também, de que é preciso seguir as orientações tanto do Ministério da Saúde como da Organização Mundial da Saúde, para conter a disseminação do coronavírus.

Nada obstante, verifica-se tanto no meio científico como político muitas discussões, que refletem a forte polarização vivida atualmente no país, e penso que é imprescindível aplicar doses maiores de equilíbrio e razoabilidade. Não cabem exageros de qualquer lado que seja e precisamos pesar todos os aspectos envolvidos na questão de maneira racional.

Há um receio muito grande de que a parada total do país acabe provocando um caos social, em virtude da crise econômica, que demorará muito para ser revertido. Precisamos encontrar um ponto de equilíbrio entre a questão sanitária e a econômica, o que na minha opinião só se conseguirá através da observação, da análise diária da evolução dos casos e do trabalho constante de proteção daquelas pessoas que são mais suscetíveis a ser infectadas, os chamados “grupos de risco”.

Alguns analistas entendem que podem ser estabelecidas estratégias que tratem de maneira cirúrgica o problema da disseminação. Que regularmente as autoridades estaduais, municipais e federais sentem para fazer avaliações e, aos poucos, liberem e autorizem as pessoas a voltarem às suas atividades mediante adaptações e medidas sanitárias adequadas.

Há especialistas também que apontam como saídas do ponto de vista sanitário, para diminuir a ocorrência de complicações nas pessoas infectadas, um trabalho no sentido de melhorar a imunidade daqueles considerados grupos de risco. Não seria interessante, por exemplo, nesse caso, dar condições para que as pessoas com mais de 60 anos tenham maior imunidade e se fortaleçam para enfrentar a doença, fornecendo-lhes suplementos e proporcionando condições melhores de nutrição?

Se estabelecermos critérios rígidos de higienização e forem respeitadas orientações em relação ao número de pessoas e distâncias mínimas entre elas, acredito ser plenamente possível manter os estabelecimentos industriais e comerciais funcionando. É racionalizar para que não se paralise totalmente e para que não haja desabastecimento de mantimento e as pessoas consigam trabalhar, estudar, enfim, viver dignamente.

Com racionalidade, equilíbrio, aplicação e união de todos, acredito que conseguiremos vencer mais esta batalha. Radicalismos e imposições precipitadas neste momento só servem para desorganizar e desorientar as instituições e a população. Só se vence uma guerra traçando muito bem as estratégias.

………………………………………………

Tiago Abreu é juiz de Direito e presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (AMAM)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDoe você também!
Próximo artigoCoronavírus gerou demanda “sem precedentes” para games, diz chefe de Xbox

O LIVRE ADS