O Decreto das Armas e a histeria desarmamentista

Hoje o chamado Decreto das Armas, assinado pelo Presidente Jair Bolsonaro, completa uma semana e só agora consigo sentar com certa tranquilidade para falar sobre. Foi uma semana impressionantemente corrida, com muitas entrevistas, incontáveis pedidos de análises e acalorados debates, incluindo um com a socióloga Silvia Ramos, aquela que, tempos atrás, afirmou que os traficantes cariocas só compravam fuzis porque tinham que se proteger da polícia…

De forma ampla, sem me ater a detalhes e tecnicidades que o próprio tempo tratará de resolver, pude falar bastante de quão positiva foi a medida, um passo importantíssimo rumo à plena liberdade de defesa do cidadão brasileiro. Para não chatear o leitor que me acompanha, não vou repetir tudo novamente, então, faço o seguinte: ao final deste artigo estarão disponíveis os links para as matérias e debates citados. Bom para vocês? Acredito que sim… Assim, partamos para os contra-ataques que o Decreto das Armas recebeu e continuará recebendo dos inimigos da liberdade.

O primeiro ponto, muito importante, é a questão da legalidade e, sim, o decreto é plenamente legal de todos os pontos jurídicos. Quem afirma o contrário é por pura ideologia desarmamentistas mal disfarçada ou, pior, por pura inveja de não ter sido ele autor de tamanha façanha. Recomendo vivamente aos mais técnicos a leitura do artigo “Novo Decreto das Armas – Constitucionalidade, Legalidade e Legitimidade” do pesquisador Fabrício Rebelo. Fora essa questão legal que segue até que de forma mais ou menos técnica, o restante foi histeria pura e simples!

A cada “flexibilização” do fracassado Estatuto do Desarmamento os arautos do caos saem aos gritos prevendo o morticínio. Isso ocorre há anos sem que nenhuma de suas previsões se concretizem. O mais espantoso é que esses “especialistas” continuam tendo espaço quase ilimitado e seguem sendo tratados com prestígio. O fracasso é facilmente explicado: trocaram a análise pela torcida. Duvidam? Então vamos lá!

Quando armaram as Guarda Municipais qual foi a previsão: caos e morticínio inocente! O que ocorreu? Nada! Quando incluíram, no passado, o porte de armas para mais categorias, entre elas os dos auditores da Receita e fiscais do trabalho, qual era o discurso estampado nas manchetes? Mais armas, mais mortes! Caos! E o que aconteceu? Nada! Em 2016, o então Ministro da Justiça Alexandre de Moraes também ampliou o prazo de validade dos registros e lá estavam os arautos gritando “Caos!”, “Mais armas, mais mortes!”, “Vai virar um bang-bang”. E – desculpem me repetir – nada aconteceu!

O último exemplo, e mais contundente de como esse pessoal erra com uma precisão olímpica, foi a liberação do chamado Porte de Trânsito para atiradores esportivos, que ocorreu em fevereiro de 2017. Naquela ocasião, algo em torno de 70 mil esportistas do tiro dá noite para o dia estavam liberados para portar armas – inclusive de calibres restritos – pelas ruas e estradas, desde que no trajeto de suas casas para os clubes e vice-versa. Hoje já são 250 mil! Quantas ocorrências graves ocorreram nesse intervalo? Nenhuma, absolutamente nenhuma!

Depois de tantas flexibilizações e promessas de muito mais mortes, o que temos de concreto, de fato mesmo, é que no primeiro trimestre de 2019 o Brasil teve uma redução de 24% nos homicídios, Santa Catarina, o estado mais armado do país, tem hoje a menor taxa de assassinatos e a cidade de Jaraguá do Sul, sede da segunda maior Festa do Tiro do mundo é a cidade mais segura do país! O resto é balela e… muita histeria.

A cada liberação, a cada flexibilização, a gritaria histérica desarmamentistas se torna mais patética e ganha contornos daquelas gritarias chatas que as crianças mimadas fazem quando são contrariadas. É! É isso que os desarmamentistas viraram no Brasil: crianças mimadas que querem ganhar no choro.

Bene Barbosa é especialista em segurança, escritor, presidente do Movimento Viva Brasil, palestrante, autor do best-seller Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento, Instrutor de Armamento e Tiro do Curso Básico de Armamento e Tiro do Projeto Policial.

LEIA TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

11 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns Bene Barbosa, sempre muito esclarecedor em suas entrevistas e comentários.
    Muito obrigado por sempre ajudando o cidadão de bem, por sua legítima defesa.
    Nós CAC’s temos uma imensa gratidão por sua pessoa por todas nossas conquistas, e claro fica aqui também o agradecimento a todos os envolvidos nessa conquista que são muitos, seria difícil comentar aqui o nome de todos.
    Muito obrigado mesmo.

  2. Ótima e completamente esclarecedora tal reportagem. Registre-se que, ao contrário dos desarmamentistas os dados e pesquisas citadas são concretas e de acordo com a realidade. Portanto, chega de hipocrisia. Não é, aliás que, o direito de defesa é consagrado pela nossa Constituição Federal, o que, só por só, valida o decreto em todos os aspectos.l

  3. É cômico ver desarmentistas esperniarem, a ispiscialystha falou que o decreto autorizou Glock com rajada, que 9mm é calibre proibido, Primeiro ponto só existe uma arma da Glock com a função rajada e a mesma é proibida no Brasil, a glock para se ter rajada tem que compra uma peça chamada seletor de rajada, e o decreto não autorizou isso, segundo há uma grande diferença entre calibre permitido e calibre restrito, não existe calibre proibido, existe arma proibida! Uma comunista vomitando é muito perigosa… isso sim!

  4. Parabéns meu amigo BENE BARBOSA , agradecido pela luta , por mais uma vitoria , que o senhor participou , para a liberação do porte e posse , não só para os CACs ..mais para 20 categorias ate que chegue para o cidadão comum .parabéns ,

  5. Caro Bardosa:
    Se eu fosse parlamentar teria vergonha e me esconderia. Se ultrapassa algum limite é porque o Congresso Nacional é fraco e nunca fez nada para resolver o problema! E mais: se há muitas armas nas mãos de bandidos é porque o Exército e a Polícia Federal não estão fazendo o próprio papel. Se querem mesmo fazer alguma coisa estabeleçam prisão perpétua para quem matar, em não sendo em legítima defesa. O resto é puro interesse e desconhecimento!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPraça da República ganha feira de artesanato mensal
Próximo artigoComper deve indenizar cliente acusado de receber troco duas vezes

O LIVRE ADS