Mulheres são donas de 31% das empresas de Mato Grosso

Em geral, elas têm mais escolaridade que os homens e se preocupam mais em manter os negócios dentro da formalidade

Foto: Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil

As mulheres são donas de 31% das empresas ativas em Mato Grosso, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), baseado em dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A empresária Célia Leite, 34, que tem uma empresa de consultoria contábil, aponta as dificuldades enfrentadas pelas mulheres casadas e com filhos, que precisam se desdobrar ainda mais. “É um pouco mais difícil, mas mão é impossível”, constata.

Não é à toa que a pesquisa aponta que 27% das donas de negócios trabalham em casa e que 46% são chefes de domicílio.

Nicho de mercado

Para Eliane Chaves, diretora Técnica do Sebrae MT, apesar de haver muitos avanços na ocupação e profissões antes tidas como masculinas, as mulheres, na sua grande maioria, desempenham atividades ligadas a seus talentos.

“No universo dos pequenos negócios, temos a presença muito grande no segmento dos pequenos serviços, principalmente, voltados para alimentação, moda, cabeleireira, estética. Elas ocupam espaço na economia com os seus talentos e habilidades”.

Ao abrir a empresa, a jovem Ana Carolina de França, 33, formalizou uma atividade que já desenvolvia há quatro anos, paralela ao trabalho numa agência de publicidade em Cuiabá.

Ela conta que deixar o salário e todos os benefícios que recebia para empreender não foi tarefa fácil, mas precisava sair da acomodação e fazer alguma coisa para ela mesma, tocar o próprio negócio. “Se eu não fizer por mim, quem vai fazer?”, questiona.

A empresa dela – uma loja – começou em casa e com atendimento on-line. Depois passou para um showroom, até abrir um ponto físico em julho de 2020, bem em meio à pandemia.

Segundo ela, a crise não atrapalhou, ao contrário, até ajudou a negociar o valor do aluguel num ponto bastante concorrido.

Mais escolaridade

A pesquisa do IBGE aponta que as mulheres donas de negócios têm maior escolaridade que os homens (16% maior) e se preocupam mais em formalizar os negócios. Entre elas, 31% possuem CNPJ, enquanto no grupo dos homens, apenas 29% são formalizados.

É maior a proporção das mulheres que trabalha sem sócios (84% contra 81% no caso dos homens). Em contrapartida, os negócios conduzidos por elas são menores e é menor também a proporção de mulheres que são empregadoras. Quando têm funcionários, geralmente elas têm menos que eles.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFalha corrigida
Próximo artigoEleitor tem 60 dias para justificar ausência em votação