MT tem o 3º maior aumento nos casos de feminícidio do Brasil

Com alta de 68,4%, Mato Grosso só fica atrás do Acre (166%) e do Pará (81%) no registro do crime contra mulheres

Foto: Reprodução

Apesar de registrar queda em crimes como lesão corporal, ameaça e estrupo, Mato Grosso teve o terceiro maior aumento do Brasil em casos de feminicídio. No Estado, o aumento percentual registrado entre janeiro e junho foi de 68,4%. Somente o Acre (166%) e o Pará (81%) ficaram na frente.

Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgados na terça-feira (20).

As informações compiladas se baseiam em dados fornecidos pelas secretarias de segurança pública de cada Estado, pelas polícias civis, militares e federal e outras fontes oficiais da Segurança Pública.

Em números absolutos, em Mato Grosso, os casos de feminicídio saltaram de 19 (no mesmo período do ano passado) para 32 no primeiro semestre de 2020.

A análise dos números, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, confirma o impacto da pandemia nos índices: queda em alguns tipificações criminais, mas o aumento da violência letal contra as mulheres.

Queda?

Em Mato Grosso, os casos de lesão corporal caíram 10,6%, os de estupro tiveram queda de 14,2% e as ameaças diminuíram 14,5%.

A baixa nos números preocupa os especialistas e levanta a dúvida sobre a subnotificação, tendo em vista a maior dificuldade das mulheres em denunciar os agressores durante o período de isolamento social.

O maior tempo em casa contribuiu para o aumento da carga de trabalho doméstico – geralmente feito apenas pela mulher – e a ampliação da manipulação física e psicológica do agressor.

“Milhares de mulheres que já experimentavam tão terrível situação em períodos anteriores, viram essa realidade agravar-se em razão do novo contexto gerado pelo regime de isolamento social, que embora eficaz do ponto de vista sanitário, impôs a elas um tipo de convívio muito mais intenso e duradouro junto a seu agressor, em geral seu parceiro”, diz a publicação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPorto e Dom Aquino ganham 7,5 km de novas redes de água
Próximo artigo“Não se pode falar de proteção sem falar de desenvolvimento”, diz Damares sobre Amazônia