Lavouras de MT têm o melhor resultado de controle de praga dos últimos 10 anos

Bicudo-do-algodoeiro é a principal praga da lavoura do algodão no Brasil e responsável por perdas de até 75% na produtividade

algodão rosa abapa
Foto: Assessoria

O Instituto Mato-Grossense de Algodão (IMAmt) registrou nesta pré-safra o melhor resultado relativo ao monitoramento e controle do bicudo-do-algodoeiro. Os dados levam em consideração os estudos realizados desde a safra 2012/2013. Uma das ações para garantir a solução para o problema está na mobilização de equipes de monitoramento de armadilhas nas propriedades rurais, além da disponibilização de um corpo de pesquisadores voltados efetivamente ao combate à praga.

Dados obtidos do Programa de Monitoramento do bicudo-do-algodoeiro do IMAmt, revelam que em todas as regiões de Mato Grosso as médias de captura foram inferiores a um. Isso significa que foram encontrados menos de um besouro por armadilha em uma semana, classificando todas as regionais como zona azul, o que significa de baixo risco para as plantações.

O bicudo-do-algodoeiro é a principal praga da lavoura do algodão no Brasil e atualmente é responsável por perdas de produtividade de até 75%, quando o manejo não é realizado de maneira efetiva. Por isso, para conseguir desenvolver uma safra mais tranquila que a de 2020/2021, o IMA segue com o acompanhamento efetivo das plantações.

Guilherme Gomes Rolim, pesquisador do IMAmt, explicou que no monitoramento e busca pela redução efetiva da praga, o instituto tem sido uma ferramenta essencial para auxiliar os produtores. Ele ressalta ainda que, além de todo o esforço de supervisão realizado pelas equipes, um corpo de pesquisadores está trabalhando especificamente com esse foco, como a equipe de etimologia, que atua como facilitadores das reuniões dos Grupos Técnicos do Algodão (GTA).

“Nessas reuniões o IMAmt atua como um facilitador e muitas das vezes como anfitrião, recebendo fazendeiros na casa do produtor em todo Mato Grosso. Passamos informações para as equipes, realizamos pesquisas semanalmente e redigimos alertas de monitoramento de praga que são enviados via Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão e aplicativos de mensagens, para que assim possamos discutir estratégias para o manejo do bicudo”, conta.

O especialista fala ainda que essas ações e reuniões ocorrem desde 2015. Nelas, são discutidos temas referentes à cotonicultura de forma intensiva, mas o foco de atuação tem sido o combate ao besouro, que é a principal praga da cultura. “Sempre estamos levando informações sobre os melhores controles e estratégias para os fazendeiros”, fala.

“Hoje nós mantemos um trabalho de monitoramento de resistência para outras moléculas, como no caso da malationa, que é o produto mais utilizado para o controle do bicudo”, afirma.

Todos esses estudos são feitos para que a pré-safra 2021/2022 seja mais tranquila do que a anterior. Contudo, o pesquisador frisa que ainda assim, as ações de prevenção e os cuidados com manejo devem continuar com o mesmo rigor.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAlta da inflação não impediu crescimento do mercado imobiliário em Cuiabá
Próximo artigoTrincheira Jurumirim: pista inferior deve ser liberada na sexta-feira