Justiça condena Aprosoja a pagar R$ 213 mil por plantio experimental de soja

Vara do Meio Ambiente acatou argumento do Ministério Público de que plantio fora da época traria risco

O juiz da Vara Especializada do Meio Ambiente, Rodrigo Roberto Curvo, retirou a posse da Associação dos Produtores de Soja e Milho em Mato Grosso (Aprosoja) sobre 44 mil quilos de soja cultivada em plantio experimental e também estipulou multa de R$ 213 mil como reparação de danos. 

A decisão foi tomada nesta quarta-feira (14), com base em ação civil pública do Ministério Público do Estado (MPE). A condenação é por risco ambiental no plantio realizado pela associação com suporte dos empresários Antônio Galvan e Albin Galvan Neto. 

O MP pedia a destruição da plantação de 100 hectares e multa de R$ 500 mil à Aprosoja e aos empresários por descumprimento de regras sanitárias para o plantio.     

O experimento foi anunciado pela Aprosoja, em acordo com Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), no fim do ano passado. Conforme a associação, seriam plantadas 30 áreas de cerca de 30 hectares em janeiro de 2020, prazo considerado fora do padrão de segurança fitoterápica. 

Na ação, o Ministério Público acusou o experimento de ilegal e com potencial de danos ambientais, com produção da doença ferrugem 

O juiz Rodrigo Roberto Curvo acatou esse argumentou, mas com redução do pedido de pagamento por incentivo de atividade ilegal – 13 produtores participaram da plantação – e de perda do benefício econômico com a venda dos grãos da plantação experimental. 

O magistrado mandou que 44 mil quilos de grãos, derivados da plantação em cerca de 100 hectares, sejam apreendidos e aplicou multa de R$ 113 mil, calculada com base em preços pelos quais a venda geraria. 

Também determinou que multa de R$ 113 como condenação de atividade ilegal.  

O que diz a Aprosoja? 

A associação disse que a sentença não levou em consideração a validade do acordo de mediação assinado pela Superintendência Federal do Ministério da Agricultura (SFA), pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) e pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), que autorizou a pesquisa científica dos plantios experimentais. 

Disse ainda que ela e os produtores que participaram da pesquisa avaliam a possibilidade de recurso da sentença “porque o dano ambiental coletivo não ficou provado”. As ocorrências de ferrugem-asiática nos experimentos teriam sido “mínimas”, se comparado aos plantios de dezembro.  

“Somente uma perícia técnica poderia trazer segurança para o Juízo e para as partes sobre a constatação ou não desse dano. Todavia, esta prova, requerida pela Aprosoja, foi cerceada na sentença, o que pode ensejar a nulidade desta decisão”, afirmou. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovo chefe de Gabinete
Próximo artigoBoa para envelhecer? Cuiabá é a 100ª em lista com as melhores cidades para idosos