Igrejas suspendem missas e cultos por causa do coronavírus em Cuiabá

Na Católica, as confissões serão em áreas arejadas. Nas evangélicas, cultos devem durar só metade do tempo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Autoridades não recomendam a aglomeração de pessoas durante a pandemia do novo coronavírus, por isso, a Diocese de Cuiabá anunciou a suspensão de missas e outras aglomeração de fiéis na Capital.

Até esta quarta-feira (18), o Brasil confirmou 291 casos da doença e acompanha quase 9 mil casos suspeitos. Uma morte por coronavírus foi registrada oficialmente em São Paulo.

Na Igreja Católica de Cuiabá, as medidas são assinadas pelo arcebispo metropolitano Dom Milton Santos.

De acordo com o comunicado, as missas deixarão de ser realizadas a partir da próxima quarta-feira (26).

A recomendação é que os fiéis acompanhem a missa através de outros meios, como a TV, a internet e o rádio.

As aulas de catequese também estão suspensas temporariamente. Não há prazo para retorno.

Sobre o dízimo e doações, a diocese encerra o comunicado recomendando que os fiéis “não deixem de sustentar a igreja em suas necessidades materiais”.

Confissões

Os mutirões de confissão em preparação para a Páscoa estão suspensos. As confissões, se feitas, devem ser realizadas evitando aglomeração.

É preferível, conforme orientação da Diocese, espaços abertos e arejados, com o auxílio de telas no confessionário e máscaras. A ideia é evitar contatos diretos.

Igreja Assembleia de Deus

Entre as igrejas evangélicas, à princípio, a Assembleia de Deus deve diminuir a duração dos cultos como enfrentamento ao coronavírus. A ideia é que passe de duas horas e meia para apenas uma.

Segundo a igreja, frascos de álcool em gel na entrada dos templos estão sendo disponibilizados aos fiéis.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorShoppings abrem em novo horário; um autoriza lojistas a “baixar” portas
Próximo artigoCoronavírus, a batalha da comunicação

O LIVRE ADS