Há quase um mês, marido espera alta de esposa com covid sentado na porta de hospital

Ele afirma que ficará na porta até a esposa receber alta para irem embora para casa juntos

(Foto: Prefeitura de Várzea Grande)

Desde o dia 11 de julho, Jarcedi Han coloca duas cadeiras em frente ao Hospital Metropolitano de  Várzea Grande. Ali, pela manhã e ao fim de tarde, toma chimarrão e aguarda a esposa Cristiane Fagundes, 42 anos, internada em decorrência da covid-19. O gesto de amor, cumplicidade e esperança comoveu a comunidade e ganhou repercussão na mídia e nas redes sociais.

O casal é de Sapezal, mas, após a intubação de Cristiane no município, no dia 11 de julho, ela foi transferida de UTI móvel para a unidade de saúde em Várzea Grande. O Hospital Metropolitano é referência para o tratamento da covid-19 desde o começo da pandemia. Hoje, são 109 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pactuados com o estado.

A espera tem sido longa e cheia de angústia. Neste tempo, Cristiane chegou a ser extubada, no entanto foi intubada novamente e receberá a traqueostomia. “Neste tempo em que fizeram a extubação dela, Cristiane conversou, sorriu, chorou”, contou ele.

A partir do diálogo entre as prefeituras de Várzea Grande, de Sapezal e Governo do Estado, Jarcedi, 52 anos, recebeu ontem a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus, afinal sua faixa etária está contemplada no Plano Nacional de Imunização (PNI) praticada nos dois municípios.

“Estou muito emocionado, a vacina significa gotas de esperança, e a Cristiane não teve tempo de tomar”, disse Jarcedi, com lágrimas nos olhos, após receber a primeira dose da Coronavac, no ponto fixo das Clínicas Médicas do Univag.

(Foto: Prefeitura de Várzea Grande)

Após a primeira etapa da imunização, Jarcedi retornou às suas cadeiras, colocadas diante do hospital, em que ele esteve na inauguração, em 2011, quando à época era o secretário de saúde de Sapezal. Anos antes, o contador também exerceu a função de secretário de Administração por 12 anos em Campos de Júlio.

“A saúde pública tem sido impecável no atendimento da população, já estive aqui em uma situação festiva e agora retorno vivendo esse pesadelo, mas não perco minha fé e tenho a certeza de que ela está sendo cuidada da melhor maneira possível. A equipe do hospital também me acolhe com muito respeito e carinho, já vieram assistente social, psicólogo, médicos, enfermeiros, todos muitos solidários diante da minha dor e da dor de outras famílias. Aqui em Várzea Grande, minha família são vocês”, disse ele.

Jarcedi e Cristiane se conheceram no Paraná, na cidade Ampere, e há 24 anos moram em Mato Grosso. Casaram no sul do país e decidiram começar a vida em família no interior do estado que prospera diariamente. Administradora, Cristiane não tem comorbidades e a doença avançou com muita rapidez em seu organismo. O casal possui três filhos, de 24, 19 e 17 anos, e uma netinha, de três anos.

“Estamos unidos pelo amor e pela fé, ficarei aqui até ela ganhar alta e, então, vamos juntos para casa”, comentou.

Ao acompanhar a vacinação do senhor Jarcedi, a Gerente da Vigilância Epidemiológica de Várzea Grande, Relva Cristina de Moura, se emocionou e destacou dois sentimentos importantes nesta época de pandemia.

“Vivemos uma pandemia que tem causado dores em muitas famílias, precisamos ter mais amor e mais esperança. Mais amor no cuidado conosco e com o próximo e esperança na vacina, como bem disse o senhor Jarcedi, são gotas de esperança”, pontuou ela.

Opinião compartilhada pelo secretário de saúde do município, Gonçalo de Barros.

“Estamos nos dedicando ao máximo para oferecer tratamento digno de saúde e efetividade na campanha de vacinação. Jarcedi está com 52 anos, apto por sua faixa etária a receber a vacina, ficando mais protegido para aguardar sua esposa com mais segurança na porta do hospital, um gesto que reafirma que as relações familiares são alicerces do ser humano”, acrescentou.

O prefeito Kalil Baracat e a primeira-dama Kika Dorilêo Baracat também se comoveram com a história de cumplicidade de Jarcedi e Cristiane, que passaram a receber muito carinho e orações da comunidade.

“São milhares de famílias vivendo dias de incertezas e nós, como gestão pública, temos o dever de oferecer o que há de melhor para todos tenham atendimento de saúde pública e gratuita. Além disso, oferecer uma rede de acolhimento para as famílias, pois quando um familiar adoece, todos ficam sensibilizados. A covid-19 traz uma situação ainda mais difícil, a necessidade de isolamento, e, neste sentido, temos de criar ferramentas para que o cidadão não se sinta desamparado, ao contrário, ele tem uma rede de apoio”, finalizou Kalil, acrescentando que ele e a primeira-dama estão unidos em oração pela recuperação de Cristiane e de todos as vítimas do novo coronavírus.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSesp realiza leilão de veículos apreendidos do tráfico; aeronave também está disponível
Próximo artigoVocê conhece Almir Júnior? Saiba quem é o mato-grossense que saltará em Tóquio