Estamos consertando o nosso Estado

Tivemos que fazer muitos enfrentamentos para conter o crescimento descontrolado do custeio da máquina pública em Mato Grosso

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Durante todo esse ano, estabelecemos metas claras para tirar o Estado da situação caótica em que se encontrava, com restos a pagar na ordem de R$ 3,5 bilhões, devendo 11.424 fornecedores, atraso de 11 meses no repasse obrigatório da saúde às prefeituras, além de 50% das viaturas paradas por falta de pagamento e 335 obras paralisadas em todo o Estado.

Nossa equipe de servidores e secretários tinha a consciência de que, para obter resultados positivos, precisávamos pensar de forma criativa, de forma a encontrar soluções para velhos problemas.

Com foco, trabalho e fé em Deus, adotamos medidas que contribuíram diretamente para melhorar a arrecadação, recuperar ativos, reduzir despesas e controlar os gastos públicos. Tivemos que fazer muitos enfrentamentos para conter o crescimento descontrolado do custeio da máquina pública, de um lado, e para corrigir distorções fiscais e tributárias, de outro. Foi assim que reduzimos despesas e começamos a ampliar a receita.

Em um esforço conjunto, a Assembleia Legislativa entendeu a situação do Estado e aprovou as leis necessárias para a retomada das rédeas do nosso Mato Grosso, colocando o interesse coletivo acima do individual.

O esforço foi enorme e a recompensa chegou. Afinal, hoje é o dia 20 de dezembro de 2019. Um dia que traz um simbolismo muito grande para a nossa gestão. Conseguimos pagar a todos os servidores públicos o 13º salário de forma integral, apesar das inúmeras dificuldades financeiras pela qual o Estado enfrentou e ainda enfrenta, principalmente, por não ter entrado nenhum dinheiro “novo”, como o FEX (Fundo de Apoio às Exportações).

Superamos os desafios e o resultado é positivo. Com o pagamento do 13º, concluímos o ano pagando 14 folhas salariais, sendo que uma delas é referente ao 13º de 2018. Além disso, fechamos o ano retornando o pagamento do salário em parcela única, no dia 10.

O trabalho de consertar Mato Grosso aconteceu em todas as áreas. Na saúde, que todos sabem que há problemas gigantes, conseguimos colocar o repasse aos 141 municípios do ano de 2019 em dia e já começamos a pagar os débitos das gestões passadas. E isso já foi suficiente para melhorar a saúde nos municípios, pois os prefeitos sabem que agora podem contar com esse recurso para contratar profissionais e atender a população.

Abrimos o Hospital Estadual Santa Casa, que era particular e prestava serviço ao município de Cuiabá, após a unidade hospitalar ter ficado pro meses com as portas fechadas. Hoje é a mais moderna unidade da rede estadual. Foi com ela que começamos a implantar no Estado o novo conceito de Saúde Pública. E agora está em plena atividade o programa de reforma, ampliação e modernização dos hospitais regionais. Já começamos a reforma nos regionais de Sinop, Rondonópolis e o Metropolitano de Várzea Grande. Além da reforma da UTI do regional de Alta Floresta.

Demos início também à licitação para a reforma completa do Hospital Regional de Sorriso. E para o próximo ano, teremos ainda mais novidades para o interior do Estado, além da retomada do Hospital Central em Cuiabá, cuja obra está paralisada há 34 anos, e do novo Hospital Universitário Júlio Müller, obra parada desde a Copa de 2014.

Mas não foi só na saúde que começamos a consertar o Estado. Na infraestrutura, graças ao apoio da Assembleia Legislativa, conseguimos aumentar os recursos do Fethab (Fundo de Transporte e Habitação) e retomamos mais de 100 obras que estavam paralisadas em todo o Estado.

Muitas dessas obras nós já entregamos ou estamos na reta final como a construção de 44 pontes, restauração de rodovias a exemplo de Jangada a Tangará da Serra, Assari a Denise, trevo de Manso a Chapada, a duplicação da estrada da Guia, que é a Avenida Hélder Cândia, a MT-020 entre Chapada e Água Fria e as MT-110 entre Guiratinga a Tesouro e entre Novo São Joaquim a Campinápolis, além da recuperação do Anel Viário de Rondonópolis, só para citar algumas.

Tivemos avanços na agricultura familiar, com o programa Mato Grosso Produtivo, a implantação do Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar e de Pequeno Porte, que vai permitir que, por exemplo, um queijo produzido em Poconé possa ser vendido em qualquer cidade do Estado. Antes, isso era proibido.

Na área social, a primeira-dama Virgínia Mendes, em parceria com a secretária Rosamaria, realizaram ações importantes como a Arena Encantada, que promoveu a entrega de brinquedos para mais de 6 mil crianças de escolas públicas e bairros carentes da baixada cuiabana, a reforma da ala pediátrica do Hospital Estadual Santa Casa e a obra de reforma da Delegacia da Mulher em Cuiabá.

Temos muitos bons resultados que demonstram que estamos no caminho certo, como o trabalho na área ambiental. Conseguimos implantar um sistema que faz o monitoramento em tempo real do desmatamento, pois sabemos que precisamos combater o crime ambiental. Além da consciência ambiental que precisamos ter, a força do agronegócio de Mato Grosso depende da nossa imagem de estado que produz de forma sustentável.

Para 2020, nossos objetivos macros são o equilíbrio fiscal, atender a Lei de Responsabilidade Fiscal no gasto no pagamento dos servidores, a retomada da capacidade de ampliar os investimentos, o pagamento em dia de todos os nossos fornecedores e aumentar as parceiras com as prefeituras.

Todos vocês sabem que os compromissos assumidos são cumpridos. Pois estamos trabalhando com a verdade, colocando Deus na frente, e é assim que vamos conseguir consertar Mato Grosso.

_________________________________________

Mauro Mendes (DEM) é governador de Mato Grosso

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRapper 50 Cent vai produzir série animada sobre super-heróis negros
Próximo artigoPrefeitos vão propor medidas para o Brasil cortar gastos e evitar extinguir municípios