Encontro de coaching dá dicas para mulheres multitarefa

Encontro promete autoconhecimento, controle de emoções e soluções práticas

Muitos papeis, muitas escolhas, muita gente para dar atenção. Na contemporaneidade, a mulher assume múltiplas funções e seu cotidiano se configura como uma verdadeira batalha de sobrevivência. Mas como se organizar, ser produtiva e ainda por cima, controlar as emoções?

A psicóloga e coach, Bruna Luise e a administradora e coach, Fernanda Solano, prepararam um conteúdo especial para refletir esse contexto com ensinamentos que podem auxiliar as mulheres na tomada de decisões e escolhas conscientes. No dia 07 de julho realizam o I Encontro de Coaching Feminino – A Mulher em Equilíbrio, às 14h30, no Use Coworking, Shopping Goiabeiras.

“A mulher assume tantos papéis em seu cotidiano, se reconhecendo em novas posições que legitimam a frase ‘lugar de mulher é onde ela quiser’. Entretanto, apesar dessa conquista, a mulher moderna se vê presa na armadilha do perfeccionismo, querendo ser excelente em todas as áreas possíveis, e isso tem gerado estresse e infelicidade”, aponta Bruna.

De acordo com a coach, dentre os assuntos abordados na vivência figuram o autoconhecimento, escolhas e auto responsabilização, missão e planejamento pessoal, além de metas e organização da rotina. “Tudo isso para que a mulher, ao mesmo tempo que desenvolva o autoconhecimento e olhe para suas emoções, saia do encontro com soluções práticas para seu dia-a-dia”, ressalta.

Para participar é necessário realizar a inscrição com as organizadoras. Mais informações: Bruna Luise (65) 98175-8678 Fernanda Solano (65) 98402-7028, além do e-mail: [email protected]

Bruna Luise e Fernanda Solano idealizaram conteúdo especial para encontro feminino

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBrasil entra em campo para seu último amistoso antes da Copa
Próximo artigoMesmo com decisão judicial, recém-nascida pode morrer por falta de UTI em MT