Doação de leite materno em Cuiabá aumenta 12% durante a pandemia

Em média, 30 bebês são alimentados diariamente com o que é coletado pelo banco

Um crescimento tímido, mas representativo. O Banco de Leite Humano (BLH) – Doutor José Faria Vinagre, no Hospital Geral em Cuiabá, teve um aumento de 12% nas doações durante a pandemia da covid-19.

A unidade registrou um volume de 539 litros de leite coletados em 2020. Essa quantidade é maior do que os 478,7 litros de 2019.

Este ano, já foram contabilizados 175,9 litros no primeiro semestre e a expectativa, de acordo com o BLH, é que o número cresça e supere o total do ano passado.

Para que isso aconteça, é preciso que mais mulheres se sensibilizem e abracem a causa.

Encontro emocionante

A engenheira sanitarista e ambiental Emanuelle Maria Campos Curvo, 34 anos, é uma das mães que já integram esse time. Ela tem dois filhos – Arthur, de 3 anos, e Julio Cezar, de 4 meses – e foi após o nascimento do primogênito que conheceu o BLH.

Uma doula repassou a informação durante as orientações para a amamentação do bebê, após a mamãe de primeira viagem ver aquele leite todo indo embora durante o exercício de cuidado com o peito.

“Pensei se não teria uma forma de evitar aquele desperdício e ela me indicou o BLH”, afirmou.

(Foto: Arquivo pessoal)

Depois da dica, Emanuelle foi até o Banco, onde recebeu mais orientações sobre a amamentação. E, ali, teve contato com as mães de bebês de baixo peso, internados, e que dependem, muitas vezes, daquele leite doado para se alimentar.

Há casos em que as mães não têm leite e, como o bebê não mama, não há estímulo para a produção. “Nossa, aquele encontro me deixou muito emocionada”, lembra.

A partir dali, Emanuelle doou leite até Arthur completar 11 meses.

O retorno e a sensibilização

Após a segunda gravidez, Emanuelle não teve dúvidas. Logo nos primeiros dias de vida de Julio Cezar reiniciou o processo de doação de leite. Desta vez, inclusive, postando nas redes sociais o processo, como forma sensibilizar mais mulheres.

(Foto: Arquivo pessoal)

Emanuelle conta que, às vezes, acorda durante a madrugada para fazer a ordenha e que são necessárias algumas retiradas, até que se atinja uma grande quantidade de leite.

“Mas qualquer tanto é importante para os bebês. Não é fácil, mas é muito gratificante fazer parte disso”, define a engenheira sanitarista e ambiental.

Muito obrigada

“Muito obrigada”. É isto que Daiane Sales Pereira da Silva, 31 anos, tem a dizer às mães que fazem as doações ao BLH. A biomédica está com uma bebê de 47 dias e durante 40 dias, a pequena Sarah Vitória precisou receber a doação.

A neném estava com 1,5 kg e precisava se alimentar, mas não estava conseguindo mamar, pois não tinha força para a sucção. “Ela tentava e se cansava muito”, conta mãe.

A receita médica foi pelo uso do leite doado e, agora, Sarah Vitória está com 1,9 kg e já mama.

“Se eu pudesse, também doaria, mas não tenho o suficiente. Eu vi minha filha melhorar a cada dia que passou. Eu não sei o que teria sido sem essas doações. Então, quem puder, que contribua e doe também e salve vidas”, pede Daiane.

Medo superado

O coordenador do BLH, Marcus Vinícius de Carvalho, explica que durante o início da pandemia as mulheres demonstraram muita inseguranças e incertezas, afinal, era um vírus novo. “Mas fizemos um trabalho de orientação e conseguimos esses bons resultados”, comemora.

Inclusive, esses números vêm crescendo bastante. Nos últimos cinco anos, o BLH tem registrado aumentos. De 2017 para 2018 foi o maior salto, 168%, saindo de 128 litros para 343,2 litros. De 2018 para 2019, o crescimento foi de 39%.

(Foto: HG)

O leite coletado é direcionado para os bebês de baixo peso, ou seja, que pesam menos de 2,5 kg. Pelo menos 30 nenéns recebem a doação, tanto no HG quanto no Hospital Santa Helena.

Neste ano, em setembro, o BLH completa 20 anos com 6.644 litros coletados, desde junho de 2001. Carvalho destaca que, dentre os avanços que pode ressaltar está a manutenção da captação de leite durante a pandemia.

O desafio, avalia o coordenador, é manter as doações ininterruptas por meio de um trabalho de conscientização das mães. “Nos procurem para serem inseridas no programa, 1 mililitro já salva uma vida!”, reforça.

Como doar?

O BLH funciona para a coleta de leite e também para orientações para as mães que têm dúvida quanto a amamentação. As interessadas podem entrar em contato com a unidade fica localizada na Rua 13 de Junho, 2101 – 2º andar – Centro – Cuiabá – MT.

O telefone é o (65) 3363-7035 e o horário de funcionamento é de segunda à sexta, das 7h às 19h, e aos sábados, das 7h às 13h.

LEIA TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Não vai se confiar no resultado das apurações”, diz Bolsonaro sobre 2022
Próximo artigoSaiba como votou cada deputado federal do país na sessão da PEC do voto auditável