Com venda de ativos, Vale e Petrobrás são destaque

Rovena Rosa/Agência Brasil

Refinaria Petrobras

 

Entre as empresas que reduziram a dívida líquida entre junho de 2016 e junho deste ano se destacam duas gigantes brasileiras – Vale e Petrobrás. Pressionadas por um alto grau de alavancagem, ambas vêm se desfazendo de ativos para gerar caixa e aliviar a dívida. O resultado desse movimento foi uma retração de 11,15% na dívida líquida da petroleira e de 17,5% na da mineradora, segundo dados da Economática.

A Petrobrás, por exemplo, vendeu sua participação no campo de Carcará, no pré-sal da Bacia de Santos, para a norueguesa Statoil por US$ 2,5 bilhões. No fim de junho, a companhia brasileira somava R$ 295,3 bilhões em dívida.

Na Vale, uma das operações de maior porte foi a venda de ativos de fertilizantes para a Mosaic por – também – US$ 2,5 bilhões. A empresa, que encerrou o segundo trimestre deste ano com US$ 22,1 bilhões de dívida líquida, pretende continuar realizando desinvestimentos nos próximos meses em uma tentativa de atingir a meta de dívida de US$ 15 bilhões a US$ 17 bilhões.

Segundo a diretora de tesouraria e finanças corporativas da Vale, Sonia Zagury, além da comercialização de ativos, uma melhora no mercado e o fim de um ciclo de grandes investimentos também favoreceram a situação de caixa da empresa e, consequentemente, a queda da dívida líquida. “A melhora da situação da China e dos preços de minério tem ajudado na velocidade da redução da dívida”, afirmou Sonia, por e-mail, ao Estado.

Ao contrário da Vale, a maioria das empresas brasileiras não tem contado com a ajuda de fatores externos para alavancar o caixa e reduzir a dívida. De acordo com Renato Carvalho Franco, sócio da Íntegra, de reestruturação de empresas, a redução do passivo das companhias tem vindo da comercialização de ativos, do freio nos investimentos para manter capital em caixa e no corte de custos. “O ideal para reduzir dívida é gerar caixa, mas as empresas não estão conseguindo isso. Elas têm diminuído investimentos para pagar bancos.”

O diretor geral da reestruturadora de empresas Alvarez & Marsal no Brasil, Marcelo Gomes, também acredita que apenas a geração de caixa pode melhorar definitivamente o nível de dívida das empresas. “Para isso, é preciso que a economia comece a se recuperar, mas já iniciamos esse processo.” Fatores como inflação e juros em queda também começam a ajudar as companhias. “Mas o impacto deles é lento.”
Procurada, a Petrobrás não retornou os pedidos de entrevista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Com Agência Estado)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFazenda de Pupin pode ser adquirida por R$ 65 milhões
Próximo artigoDelação de Silval expõe relações do ministro Gilmar Mendes