Chopin com encanto

Chopin: elementos de pianística e impressões sobre a vida e a obra, publicado em 2020 pela editora Letramento, Belo Horizonte), de Valerio Mazzuoli, é dividido em três partes.

A primeira trata da pianística chopiniana. A segunda traz impressões sobre a vida de Chopin (1810- 1849). E a terceira concentra cronologia da vida e da obra do grande músico. Há, ainda, última parte para o catálogo das obras.

O que mais me impressionou neste livro foi o texto o estilo elegante, leve, conciso, absolutamente bem sucedido ao sintetizar informações extensas sobre Chopin e sua obra.

Logo se descobre que a obra de Chopin gira só em torno do piano. Todas as notas são importantes, assim como as pausas. O pianista precisa estar muito concentrado na execução, sempre desgastante.

O pedal, a partir de Chopin, passou a permitir, no piano, o som do balanço das árvores, das ondas do mar. O piano teve, ainda, possibilidades ampliadas, recursos pianísticos antes não utilizados, como cantos-fantasma, elementos-surpresa, além ritmo diferente, como Mazurkas (peça em três tempos dançada em pares, o entrelaçamento formando figuras geométricas), ou Polonaises. Chopin nasceu na Polônia, viveu por muitos anos na França. Amava, também, a Polônia.

O relato sobre os estudos de Chopin (27 composições) é muito interessante. Chopin os preparou para que o executante pudesse vencer desafios, inclusive de resistência.

Não menos relevante é a parte sobre a vida de Chopin, seus amigos, seu amor por George Sand. Há uma fotografia belíssima tirada no estúdio fotográfico de Louis Auguste – Bisson em 1949. É a foto que inicia este texto.

Valerio Mazzuoli é jurista e pianista, mas, aqui, deve ser destacada sua dedicação à obra de Chopin. Este livro mostra que ele conhece profundamente aspectos técnicos do piano de Chopin, assim como sua vida. Ele transmite, ao leitor, o encanto que sente ao ouvir, tocar e estudar Chopin.

Ao final do livro está o catálogo integral da obra de Chopin e é possível, assim, ouvir Op. 32, Noturnos de 1836-1837, por exemplo, na ordem em que compostos.

Agora, por exemplo, interessei-me em ouvir Op. 28, 24 Prelúdios (1836-1839).

Procurei no Spotify e encontrei várias gravações, tendo escolhido a de Martha Argerich, pianista que adoro.

Este é um livro que vai me acompanhar quando ouvir Chopin, porque explica sem impor, sugerindo, com suavidade.

(Foto: Reprodução/Lolitaimaginario)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImposto zerado
Próximo artigoÁguas Cuiabá doa 160 mil sabonetes para o combate à pandemia da Covid-19