Carlos Fávaro: conheça os candidatos ao Senado em MT

Com apoio do governador Mauro Mendes, Fávaro vê no trabalho de "senador temporário" a chance de convencer mais eleitores

(Foto: O Livre)

Dentre os candidatos ao Senado nesta eleição suplementar que disputaram o mesmo cargo ainda em 2018, ele foi o que teve o melhor desempenho naquele ano. Agora, Carlos Henrique Baqueta Fávaro (PSD) busca se manter como senador por Mato Grosso.

“O eleitor vai olhar para o trabalho que desenvolvi esse curto tempo e vai perceber que, se eu continuar o restante do mandato, poderei fazer muito mais”, ele avalia. 

Fávaro iniciou sua carreira política como vice-governador na chapa de Pedro Taques (Solidariedade) em 2014. Hoje, o antigo aliado é seu concorrente direto.

Em 2018, disputou o Senado e ficou na terceira colocação, o que lhe garantiu, judicialmente, o direito de exercer a função temporariamente. 

Paranaense de nascimento, ele chegou com a família a Mato Grosso no fim da década de 1980, ao fim regime militar. Conta que passaram por várias cidades, sempre no cultivo da terra, e se instalaram de vez em Lucas do Rio Verde (332 km de Cuiabá). 

Acompanhou o crescimento do município em direção ao agronegócio e a família se firmou como produtora rural. A atuação no ramo levou Fávaro à vice-presidência nacional da Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja), entidade que representa o setor econômico mais pujante de Mato Grosso. 

O espaço vice-governador veio da proximidade da política no Estado com o setor. Fávaro diz, contudo, que seu histórico de vida e a forma de entrar na política não limitam sua agenda de pautas como senador. 

“Eu faço política para todos. Eu batalhei para a UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso) aplicar o Revalida, para conseguir médicos para trabalhar na linha de frente da pandemia, articulei para elevar a fatia de ajuda financeira federal para Mato Grosso em mais de R$ 1 bilhão”, afirmou. 

Com voto declarado do governador Mauro Mendes (DEM), diz que o apoio contribui e o benefício de aparecer ao lado do governador vem da troca de cortesia política, que prestou em 2018.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO que eles estão prometendo?
Próximo artigoPai é acusado de estuprar a própria filha em visita à casa dele em Cuiabá