Cadeira de bebê, sobre o que conversar… conheça as regras no transporte por aplicativo

Eles são baratos, mas também têm suas regras. Você conhece?

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O transporte por aplicativo chegou para facilitar a vida do cidadão sem carro – que antes tinha que optar ou por um transporte público de má-qualidade, ou por serviços de táxi muito caros.

Mas antes de exigir que seu motorista de aplicativo seja sempre aquele gentleman, saiba que há algumas regrinhas que é bom o passageiro também seguir, para o bem de todos e felicidade geral no trânsito.

O LIVRE perguntou aos dois principais aplicativos de transporte quais são as regras de conduta que os usuários precisam ter durante a viagem com a Uber e a 99.

De forma geral, o LIVRE fez perguntas específicas e as empresas encaminharam mensagem genéricas sobre como devem agir os motoristas e os usuários dos aplicativos de transportes.

Um dos exemplos de possibilidade de cancelamento de viagem é quanto ao uso de cadeirinha/assento para o transporte de crianças. O motorista não é obrigado a aceitar a viagem, tanto na Uber quanto na 99. Ele pode cancelar e informar que o motivo é a falta do utensilio para o transporte de criança.

Caso o motorista seja pego pela fiscalização carregando criança sem o assento, pode receber uma multa de R$ 293,47. O ideal é que a pessoa tenha o equipamento ou pergunte se o motorista possui, evitando a multa.

De forma mais clara, a Uber explica que o usuário não pode pedir ao motorista que infrinja qualquer regra de trânsito do país, ou seja, furar sinal, ultrapassar o limite de velocidade, fazer conversão em local proibido, estacionar em local proibido, viajar com número excedente de passageiro, não usar o cinto de segurança, entre outras.

Os usuários e motoristas podem ser banidos da plataforma se descumprirem essa regra.

As duas empresas também dizem que cabe aos motoristas decidirem se uma viagem é segura ou não. Por exemplo, se ele achar que uma viagem pode ser em local inseguro, o motorista pode cancelar a viagem, já que eles trabalham de forma autônoma.

Conteúdo sexual

Para evitar que uma corrida acabe na delegacia, ambas as empresas pedem que sejam evitados, nas conversas a bordo, temas de cunho sexual ou homofóbico, racista, difamatório, calunioso, violento, obsceno e pornográfico. Ambas as empresas pedem que o assunto não seja alvo de conversa entre motoristas e usuários.

Na Uber há uma preocupação maior com o tema: o código de conduta da comunidade cita 14 vezes a palavra “sexual” e proíbe qualquer tipo de interação sexual entre motoristas e passageiros.

Danos causados

As duas empresas também se preocupam com os danos causados ao carro do motorista. A Uber, por exemplo, cobra a limpeza do passageiro caso ele tenha vomitado no veículo por uso excessivo de álcool.

Armas de fogo

As duas empresas proíbem expressamente o transporte de arma de fogo. Na Uber, se descoberto o usuário é banido da plataforma.

Além de armas de fogo, munições e explosivos também não podem ser transportados, sob pena de banimento do usuário.

Mais sobre o comportamento do usuário na 99 você encontra aqui; e da Uber pode ser encontrado aqui.

VEJA TAMBÉM

Seis fatos que você não sabia sobre o Uber

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRecusa ao teste do bafômetro não pode ser utilizada para aplicação de multa ao motorista
Próximo artigoPoliciais enfrentam as chamas e salvam homem que estava em meio a incêndio

O LIVRE ADS