Brasil poderá ter três vacinas contra a covid-19 até o fim do ano

País está em negociação de parcerias com o Reino Unido, Alemanha e a China para a produção de três produtos diferentes, com auxílio da Fiocruz e do Butantã

(Foto: Reprodução/Revista Galileu)

O Brasil pode ter até três vacinas para combater à covid-19 até o fim deste ano. Autoridades governamentais e pesquisadores estão em negociação com indústrias farmacêuticas e universidades do Reino Unido, Alemanha e China. 

Duas delas estão na fase 3 de pesquisa, com amostra de capacidade de eficácia e testagem em indivíduos em larga escala. As informações foram apresentadas em painel, nesta sexta-feira (3), moderado pelo Fórum Inovação Saúde (FIS). 

Vetor viral

A parceria mais avançada está entre o governo federal, a Universidade de Oxford e indústria farmacêutica AstraZeneca. A parceria, já anunciada pelo Ministério da Saúde, estima que, se o resultado das pesquisas for positivo, 30 milhões de doses estejam disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) até janeiro de 2021. 

A diretora médica da AstraZeneca, Maria Augusta Bernardini, disse que a vacina está sendo desenvolvida bom base na proteína skipe, a mesma usada pelo novo coronavírus para adentrar nas células do organismo humano. 

“Esse é um vetor viral não replicante, que não é capaz de produzir reação no organismo e cria a capacidade de imunização”, afirmou. 

A parceria brasileira envolve o teste do produto na fase 3 em 6 mil indivíduos. No Reino Unido, cerca de mil pessoas participaram do teste nas fases 1 e 2.  

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) será o responsável pela administração da tecnologia da vacina e também pela produção das primeiras doses. 

LEIAM TAMBÉM: 

RNA mensageiro 

Outra vacina está sendo produzida em parceria pelas indústrias Pfizer e Bayer e também está na fase 3 de análise. Conforme o presidente da Pfizer Brasil, Carlos Murillo, o produto está sendo desenvolvido com base na tecnologia RNA mensageiro. 

Ela orienta a produção proteína na molécula RNA, junto ao DNA humano, através do ácido nucleico. 

“Essa vacina é capaz de utilizar a maquinaria do organismo, dar orientação para gerar anticorpos ao vírus”, disse. 

Conforme o diretor, se o resultado for positivo, as indústrias poderão produzir doses, na casa dos milhões, a partir de outubro. 

Nesse caso, os andamentos estão mais lentos por conta das negociações com o governo brasileiro para a parceria de coprodução. 

Vírus enfraquecido 

A terceira vacina ainda está na fase pré-clínica. Ela está sendo realizada em parceria do Instituto Butantã e o governo da China. O presidente do instituto, Dimas Covas, afirma que a tecnologia usada é uma versão enfraquecida do Sars covs-2 (causador da covid-19) para impedir a instalação do vírus no organismo. 

“O estudo pode passar para as fases de teste nas próximas semanas. Aí, teríamos teste com mil indivíduos da saúde, que seriam o grupo prioritário, e a partir da segunda fase para qualquer pessoa acima de 18 anos”. 

Essa vacina tem a previsão mais curta para entrar no mercado se o resultado for positivo. Ela já estaria disponível, na casa 60 milhões de dose na primeira etapa, a partir de setembro. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVídeo mostra Teis escondendo provas
Próximo artigoRecuperado da covid-19, paciente da Santa Casa relata atendimento durante internação

O LIVRE ADS