BASF, MedAccess e Fundação Bill Gates doam mosquiteiros para combater malária

O acordo de quatro anos acelera o acesso a essa nova tecnologia inovadora de controle de mosquitos em países onde há resistência a inseticidas

Foto: Assessoria

Para marcar a 6ª Conferência de Reabastecimento do Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária, a BASF, MedAccess e a Fundação Bill e Melinda Gates anunciaram um acordo que facilitará o fornecimento de 35 milhões de mosquiteiros Interceptor® G2 para combater a malária. O acordo de quatro anos acelera o acesso a essa nova tecnologia inovadora de controle de mosquitos em países onde há resistência a inseticidas.

O compromisso permite que a BASF planeje melhor os recursos ao longo prazo e reduza em média 40% os custos dos novos mosquiteiros durante o período do contrato. Com isso, as redes protetoras serão mais acessíveis nos países onde a resistência a inseticidas está crescendo e as convencionais estão se tornando menos eficazes. Os novos mosquiteiros Interceptor® G2 ajudarão a proteger a saúde de milhões de pessoas, especialmente nos países da África Subsaariana, incluindo Burkina Faso, Costa do Marfim e Mali.

Trevor Mundel, presidente de Saúde Global da Fundação Bill e Melinda Gates, disse: “O controle de mosquitos, principalmente através de mosquiteiros, tem sido o marco do nosso progresso contra a malária nos últimos 15 anos. Porém a resistência aos inseticidas ameaça o progresso em alguns dos países mais afetados. Este acordo nos ajudará a estar à frente do problema da resistência e a trazer novas ferramentas necessárias para o combate da doença que pode ser efetivamente evitada”.

Cerca de 435.000 pessoas morrem anualmente por causa da malária e a estimativa é de 219 milhões de casos. Em nenhum lugar o problema é mais sério que na África, com mais de 90% de mortes. Além da perda de vidas, a malária prejudica a educação, as indústrias e as economias nacionais. É uma das principais causas de pobreza global. Saori Dubourg, membro do Conselho de Administração da BASF, afirma: “Para metade da população mundial, todos os dias é de luta contra a malária. A doença é evitável e tratável, mas ainda causa a morte de uma criança com menos de cinco anos a cada dois minutos. Este acordo garantirá que essa tecnologia chegue às regiões com maior incidência dos casos salvando vidas”.

Nos últimos anos, a luta contra a malária teve progressos significativos. Os mosquiteiros tratados com inseticida foram responsáveis por 69% dos 663 milhões de casos clínicos de malária evitados entre 2000 e 2015. No entanto, após muitos anos de declínio nas taxas de incidência, o mosquito altamente adaptável desenvolveu resistência aos inseticidas mais usados na prevenção da malária, provocando novamente o aumento do número de casos. Mais de 60 países relatam resistência a pelo menos uma classe de inseticida usado no combate à doença. Os especialistas em saúde estão solicitando novas ferramentas e colaborações para recuperar o progresso.

O mosquiteiro Interceptor® G2 da BASF foi desenvolvido com base em dois inseticidas e projetado especificamente para combater a resistência na luta contra a malária. Por mais de uma década, os cientistas da BASF trabalharam para redirecionar com sucesso a alfa-cipermetrina e o clorfenapir, uma classe de inseticida inovadora para a saúde pública, com o objetivo de usarem nas telas protetoras. A rede de inseticidas duplos recebeu uma recomendação provisória da Organização Mundial da Saúde em 2017 – a primeira para um produto baseado em uma nova classe química em mais de 30 anos.

Michael Anderson, CEO da empresa de financiamento social MedAccess, afirmou: “Estamos imensamente motivados pelos resultados dessa colaboração. Se queremos ter a oportunidade de vencer a malária, precisamos disponibilizar amplamente a nova e empolgante tecnologia, como os mosquiteiros Interceptor® G2.

Com a introdução de um novo modelo financeiro, conseguimos apoiar uma redução no preço das redes, acelerar sua distribuição e garantir que haja um suprimento confiável. Agora, repetiremos esforços em outras áreas para garantir que as barreiras financeiras e práticas de acesso aos medicamentos sejam quebradas”.

O Dr. Yacouba Savadogo é o coordenador nacional do Programa Nacional de Luta Contra a Malária em Burkina Faso, onde as primeiras redes serão distribuídas ainda em 2019. O coordenador está otimista de que a malária pode ser derrotada com o trabalho das organizações juntas. “Isso dependerá de estratégia, recursos e implementação. Porém com esforços combinados e contínuos, nós iremos conseguir”, disse Savadogo. “Temos que combinar abordagens e unir forças para combater a malária em regiões inteiras, pois os mosquitos não respeitam fronteiras”.

O anúncio é uma conquista fundamental para a parceria público-privada e reflete o compromisso de organizações como o IVCC (Consórcio Inovador de Controle de Vetores), em parceria com a BASF para apoiar o desenvolvimento de redes Interceptor® G2. Também apoia os objetivos do Projeto de Novas Redes, co-financiado pelo Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária e Unitaid (organização internacional para prevenção e tratamento de doenças), e liderado pelo IVCC.

O projeto de novas redes testará e avaliará o impacto das protetoras de mosquitos com novas combinações de inseticidas nos países mais afetados pela malária. Em geral, o acordo se baseia na colaboração e nos esforços do Fundo Global, Unitaid e Clinton Health Access Initiative, que estão ajudando a levar produtos que salvam vidas das comunidades afetadas pela malária.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConheça um pouco mais do trabalho da Aprosmat
Próximo artigoAprosoja-MT busca novas opiniões sobre uso do Dicamba

O LIVRE ADS