Alemães visitam as matas do Cristalino para estudar Humboldt

A expedição comemora os 250 anos do alemão Alexander von Humbold, o naturalista que revolucionou a geografia do século 19

Assessoria

Universitários da Alemanha estão na região do Cristalino, em Alta Floresta. Eles estudam a fauna e flora da Amazônia mato-grossense, com foco nos 250 anos do alemão Alexander von Humboldt (1769-1859). A expedição alemã da Universidade de Tübingen, Alemanha, se concentra na Reserva Particular de Patrimônio Natural – RPPN Cristalino, região de Alta Floresta.

O Barão Humboldt  que era geógrafo, cartógrafo e naturalista, estabeleceu conceitos importantes para a geografia moderna e desenvolveu ramos significativos como a geografia climática e humana, a fitogeografia e a geopolítica.

A expedição é coordenada pelo Centro Brasileiro Baden-WürttemberguschesBrasilien-Zentrum der UniversitätTübingen. Fazem parte do grupo, 17 universitários dos cursos de Biologia e Geoecologia, acompanhado do professor, Dr.Rainer Radtke.

Projeto de estudos

Desde 2006, a floresta amazônica mato-grossense é parte do programa de estudos de campo da Universidade de Tübingen. O projeto de estudos envolve além da Amazônia outros ecossistemas como, Pantanal, Cerrado, Mata Atlântica e florestas de Araucárias, no Rio Grande do Sul. Os resultados dos trabalhos são entregues para os parceiros brasileiros, como a organização não governamental de Mato Grosso, Fundação Ecológica Cristalino – FEC.

A coletânea de escritos deixados por Humboldt, ou ‘literatura de viagem’, como é chamada por cientistas, é formada de testemunhos, cujos relatos registraram a realidade das Américas no século XIX.O barão forneceu informações preciosas sobre a América do Sul na sua correspondência científica, contidas nas 35 mil cartas que enviou. A divulgação da obra de Humboldt, a começar pela literatura de viagem, influenciou diversos naturalistas alemães, entre eles Martius, Spix, Burmeister e Rugendas.

Através dos resultados científicos obtidos durante a sua expedição aos trópicos, Humboldt revolucionou a geografia em seu trabalho sobre as Américas equinociais e também colaborou com o desenvolvimento de outras disciplinas como a astronomia, matemática, física, meteorologia, climatologia, oceanografia, química, farmacologia, botânica, zoologia, geologia, mineralogia, vulcanologia, arqueologia, história, sociologia, agronomia, etnologia e medicina.

Príncipe já esteve em MT

Em 2015 a expedição alemã da Universidade de Tübingen esteve nas RPPNs Cristalino, para relembrar os 200 anos da passagem de outro importante naturalista alemão pelo Brasil, o príncipe alemão MaximilianzuWied-Neuwied. Em1815 ele veio ao Brasil com outros naturalistas europeus incentivado na época por Humboldt.

Assessoria

Com 21 universitários alemães, esteve presente no grupo o duque Wilhelm Herzog von Württemberg, de 20 anos, descendente do príncipe Maximilian. A proposta da universidade foi resgatar numa extensa viagem pelos estados de Mato Grosso, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espirito Santo e Bahia o trabalho de descrição de mais de 50 espécies da fauna brasileira realizado por Maximilian. Tudo com base nas percepções registradas nos diários de viagem do príncipe.

Conforme explica o professor Dr Rainer Radtke, “o zoólogo Maximilian foi de grande importância para o processo descritivo de espécies de aves do Brasil”, disse. A expedição visita a RPPN Cristalino por ser uma região considerada de alta biodiversidade de aves, mamíferos e borboletas da Amazônia.

Fundada na Alemanha em 1477, Tübingen é pioneira do curso de Geoecologia, envolvendo conhecimentos em geologia, geografia e biologia. O professor Rainer Radke, explica que Geoecologia é uma ciência que reúne conhecimentos científicos da natureza e estuda novos comportamentos humanos que possam minimizar impactos ambientais. O curso envolve também aulas de Direito Ambiental e Economia.

Rainer é um professor universitário dedicado ao programa que no seu entender, prepara os universitários que realmente tem interesse em pesquisa científica. A cooperação e estudos com universidades e entidades da área de pesquisa vêm desde 1983, mas a amizade entre a Universidade de Tübingen e o Brasil é bem mais antiga.

Segundo Rainer desde 1928 Tübingen e pesquisadores brasileiros trabalham nas áreas de paleontologia e biologia. Em Mato Grosso, a expedição sempre teve o apoio da Fundação Ecológica Cristalino – FEC,existente há 20 anos e pioneira em ações de conservação da biodiversidade na região do rio Cristalino na Amazônia mato-grossense.O Cristalino Lodge, localizado adjacente à RPPN Cristalino, recebe o grupo de estudos e dá apoio às atividades no local.

(Da assessoria)

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTRE realiza palestra em comemoração ao Dia Internacional da Mulher
Próximo artigoReceita recebe 254,9 mil declarações de Imposto de Renda nesta manhã