Abrigados na Valentes de Davi devem sair até terça-feira (21)

Desde o início do cumprimento da decisão judicial, 21 pessoas já foram acolhidas no novo abrigo

(Ednilson Aguiar/O Livre)

Os abrigados na Comunidade Valentes de Davi, em Cuiabá, têm até a próxima terça-feira (21) para se retirarem do local. Durante o cumprimento da decisão judicial de interdição e desativação, a Prefeitura da Capital oferece o acolhimento em um abrigo municipal.

A determinação proferida pelo juiz Bruno D’Oliveira começou a ser cumprida na segunda-feira (13) pelo Comitê Intersetorial, chefiado pela Secretaria Municipal de Assistência Social.

De acordo com a Prefeitura, nos três primeiros dias de ação, 21 pessoas já foram acolhidas no novo abrigo municipal, a Associação Terapêutica e Ambiental Paraíso (ATAP).

O local conta com 150 vagas para os abrigados na Valentes de Davi. O Município estima que a comunidade tenha em torno de 135 acolhidos.

A nova unidade conta com profissionais de Serviço Social, Psicologia e Cuidadores Sociais, e 30% das despesas serão custeadas pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc), os demais 70%, pelo município.

(Ednilson Aguiar/O Livre)

Na unidade os acolhidos tem espaço seguro para descanso, pernoite, higiene pessoal, quatro refeições diárias, além do acompanhamento especializado pela equipe técnica. Estando previsto no plano de ações a oferta de cursos de qualificação profissional e encaminhamento para o mercado de trabalho.

Outros acolhimentos

A Secretaria afirma ainda que sete casais que viviam na Valentes de Davi também aceitaram a proposta de irem para outro local. O grupo foi direcionado para o Hotel Albergue, no centro da cidade.

Outras 16 mudanças também foram realizadas. A Pasta frisa que familiares que quiserem restabelecer contato com os acolhidos podem procurar atendimento no Centro POP ou através do telefone (65) 9.9238-7552.

Ação judicial

A comunidade é alvo de uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público e apoiada pela Defensoria Pública do Estado, devido às condições estruturais precárias.

Em 2018, um decisão judicial determinou a interdição do local e proibiu a realização de novos acolhimentos. À época, a Justiça impôs uma multa à responsável pela Casa, Fátima Correa Mendonça.

(Ednilson Aguiar/O Livre)

Ainda assim, a pastora Fátima, como é conhecida, continuou a acolher as pessoas e recebia, inclusive, auxílio do poder público estadual com a distribuição de sacolões e doações de cobertores.

A pastora, inclusive, destacou que alterou o nome de comunidade para casa, na tentativa de evitar o fechamento, diante da cobrança do poder público com relação às normas de regularização do local.

Fátima afirma que tentou regularizar a situação, mas, por conta da falta de apoio financeiro, não conseguiu atender as normas sanitárias.

No dia 8 de junho, a Justiça determinou a realocação dos abrigados e uma nova interdição do local, a partir de 13 de junho.

Os abrigados na Casa realizaram uma manifestação contra a decisão judicial e, no primeiro momento, foram resistentes à saída da Valentes de Davi, no primeiro dia de cumprimento da ordem.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTerceiro suspeito da morte do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo é preso
Próximo artigoComo envelhecer com saúde? Especialista orienta sobre os cuidados a serem adotados