A situação dos bares e restaurantes em Mato Grosso está insustentável

Empresário do setor de alimentação fora do lar fala em artigo sobre a situação dos bares e restaurantes e propõe soluções ao governantes

Bares e restaurantes
Imagem ilustrativa - Restaurante Varadero, em Cuiabá (Foto: TripAdvisor)

Além da crise na área da saúde, somam-se graves problemas econômicos e sociais, como aumento substancial do desemprego e da violência. Muitos funcionários do setor de alimentação fora do lar já foram contaminados e, agora curados, eles reivindicam o direito ao trabalho digno parar garantir o atendimento das necessidades básicas de sobrevivência de suas famílias. A busca de soluções para os danos na área da saúde não deve excluir a preocupação e o cuidado com outras áreas.

O estado precisa de receita e o povo precisa de trabalho, liberdade e autonomia para gerar essa renda. Sabemos da impossibilidade dos governos federal, estadual e municipal em garantir emprego para toda a população e essa responsabilidade deve ser dividida com o setor privado, que em nenhum momento se furtou de desempenhar seu papel na garantia da sustentabilidade à sociedade.

Empréstimos e prorrogação de impostos são medidas paliativas, que não resolvem, mas adiam o problema de desemprego no estado. Queremos trabalhar com responsabilidade e ser autossuficientes!

Com relação à edição de novos decretos que regulamentam o funcionamento do comércio na pandemia, sugerimos aos gestores que considerem a liberação da venda de bebidas alcoólicas nos restaurantes, somente para pessoas sentadas, obedecendo ao distanciamento mínimo de um metro e meio (1,5m) entre as mesas.

Pedimos também que se intensifique a fiscalização no setor, punindo aqueles que desobedecerem ao decreto e protegendo o direito das empresas que trabalham em consonância com as determinações do poder público. O problema não é a bebida alcoólica e sim a aglomeração.

O apoio do poder público à justa causa, em defesa de mais de 70.000 trabalhadores do setor, é muito importante. Ao contrário do que muitos pensam, os danos causados pelo fechamento permanente dos estabelecimentos comerciais em questão são irreversíveis e extensivos a uma grande cadeia de fornecedores.

*Eliseu Freitas é empresário do setor de alimentação fora do lar, proprietário dos restaurantes Varadero e Talavera, membro da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL-MT) e diretor do Sindicato Patronal de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (Sindhobar – MT).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em março
Próximo artigoCaverna “perdida” há mais de um século é redescoberta em Minas Gerais