A singularidade do Contador

(Foto: Freepik)

Singularidade pode ser definida como uma característica, peculiaridade ou qualidade de algo ou alguém que o distingue do restante dos seus semelhantes. Nesse sentido, pode-se afirmar que o contador é um profissional singular, principalmente, por sua formação técnica profissional específica e, ao mesmo tempo, multidisciplinar, bem como por seu campo de atuação e pelas suas atribuições profissionais.

Para Salézio Dagostim desde 1982 comemora-se o Dia do Contador no dia 22 de setembro em virtude da criação do curso superior de Ciências Contábeis no Brasil, através do Decreto-Lei nº 7.988, de 22 de setembro de 1945.[i]

A primeira regulamentação da profissão de contador ocorreu em 1931, por meio do Decreto nº 20.158, sendo habilitado para exercer a profissão os portadores de diplomas de cursos técnicos de guarda-livros e de perito-contador, registrados na Superintendência de Ensino Comercial e, a segunda, em 1946, pelo Decreto-Lei nº 9.295, que rege atualmente a profissão contábil, considerando contador apenas o Bacharel em Ciências Contábeis registrado no Conselho Regional de Contabilidade.

O contador é o profissional habilitado legalmente para registrar, elaborar, avaliar, periciar e auditar informações econômico-financeiras das organizações públicas e privadas, de acordo com a legislação civil, societária, de licitações e contratos, de finanças públicas e da profissão contábil do País.

Desde 1931 e, até hoje, somente peritos-contadores e os contadores podem ser nomeados ex-ofício pelos juízes, para realizar verificações e exames periciais de livros exigidos pelo Código Comercial, assim como de balanços e exames em falências e concordatas de empresas (arts. 70 e 74, Decreto nº 20.158/31, art. 25, “c”, do Decreto-Lei nº 9.295/46).

Como se cabe, a aferição da situação econômica e financeira de uma organização se dá pela avaliação ou análise de suas demonstrações contábeis, com base em cálculo de índices contábeis (art. 31, da Lei nº 8.666/93, e art. 69, da Lei nº 14.133/2021).

A nova Lei de Licitações consolidou a atribuição do contador de avaliar a capacidade econômico-financeira ao dispor que a Administração poderá exigir declaração, assinada por profissional habilitado da área contábil, que ateste o atendimento pelo licitante dos índices contábeis previstos no edital (art. 69, §1º, da Lei nº 14.133/2021).

Não por acaso, a Lei nº 14.039/2020 inclui o §§1º e 2º no art. 25, do Decreto-Lei nº 9.295/1946, cujo primeiro aduz que “os serviços profissionais de contabilidade são, por sua natureza, técnicos e singulares, quando comprovada sua notória especialização, nos termos da lei”, reconhecendo juridicamente a tecnicidade e a especificidade da Contabilidade.

Em outras oportunidades já destaquei e abordei a importância do contador para o controle e avaliação econômica, financeira e patrimonial (Contador: o profissional do controle, 2014), para a gestão pública (O papel do contador na gestão pública, 2015) e a para saúde financeira das organizações (O médico e contador, 2016).

No âmbito do controle externo, merece destaque o art. 82, §2º, da Lei nº 4.320/1964, que confere atribuição singular ao contador de emitir parecer prévio das contas do prefeito ao consignar que “Quando, no Município não houver Tribunal de Contas ou órgão equivalente, a Câmara de Vereadores poderá designar peritos contadores para verificarem as contas do prefeito e sobre elas emitirem parecer”.

Nessa vertente, Grhegory Maia, Consultor Jurídico Geral do TCE-MT, assevera que o “tribunal de contas europeu atua submetendo suas próprias contas às auditorias externas, realizadas por empresas privadas especializadas”.[ii]

Esse dispositivo legal só não é aplicável hoje pela existência de Tribunais de Contas competentes em cada Estado ou Município (SP e RJ) para realizar auditoria e emitir parecer prévio sobre as contas dos prefeitos, de acordo com os arts. 31, 71, I e IV, e 75, da CF/88, no entanto, não há obstáculos para a Administração contratar auditoria independente para realizar trabalhos específicos ou que extrapole a competência ou a capacidade técnica e operacional dos órgãos de controle.

Não obstante, na criação ou reestruturação dos Planos de Cargos, Carreiras e Subsídios dos órgãos de controle, a existência de cargos de auditores com formação em Ciências Contábeis é medida essencial e imperativa a ser adotada em razão da singularidade dos serviços contábeis e das atribuições do contador.

Por fim, considerando ainda que o contador é um profissional indispensável na constituição, no desenvolvimento e controle econômico-financeiro, na prestação de contas, na recuperação e encerramento de empresas e outras organizações, conclui-se que a singularidade do contador possui dimensões jurídica, técnica e profissional.

[i] A origem do dia do contador – I. Disponível em:< http://www.ebracon.com.br/artigos/53/a-origem-do-dia-do-contador-i>. Acesso em: 16 set. 2021.

[ii] Controle preventivo. Disponível em:< https://www.tce.mt.gov.br/artigo/show/id/541/autor/51>. Acesso em: 16 set. 2021.

Isaías Lopes da Cunha é auditor substituto de conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça afasta servidor do Incra que levou mulher a força para motel
Próximo artigoPrograma ambiental da Sinop Energia faz o monitoramento de espécies da Amazônia Brasileira