Você pagou por isso! (2)

Eletricidade, papel e o tempo de um monte de gente para criar o Dia do Guaraná

Deputado Max Russi, primeiro-secretário da ALMT (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) gastou energia elétrica, internet, (no mínimo) duas folhas de papel sulfite e o tempo de trabalho de diversos servidores públicos, entre eles o governador Mauro Mendes (DEM), – tudo pago com dinheiro que saiu do seu bolso – para criar o Dia do Guaraná.

O projeto de lei foi apresentado pelo deputado estadual Max Russi (PSB) – que é primeiro-secretário da Mesa Diretora – no dia 13 de março.

Os dois artigos da lei e os SEIS(!) parágrafos de justificativa consumiram duas folhas de papel. E nem vamos considerar a possibilidade de terem sido feitas cópias ao longo do processo de tramitação.

A sanção, assinada pelo governador Mauro Mendes, foi publicada no Diário Oficial de Mato Grosso nesta sexta-feira (29).

E essa nem foi a primeira vez que um deputado perdeu tempo com isso. No ano 2000, o hoje prefeito de Rondonópolis, José Carlos do Pátio, elaborou um projeto de lei que “declarou o guaraná em pó a bebida-símbolo do Estado”.

A lei foi promulgada pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, porque, por alguma razão, o governador da época, Dante de Oliveira (já falecido), não a sancionou.

Ah! O dia escolhido por Max Russi foi 5 de abril.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. nem precisa mais de deputados, vereadores, senadores…o País está às mil maravilhas, com autogestão do povo. infelizmente nem que o total dos eleitores boicotasse as eleições, já existe artimanha para se elegerem mesmo assim

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDiretor de Quarteto Fantástico “surfa” na polêmica de Scorsese e provoca Marvel
Próximo artigoProfessor de matemática tenta matar diretora de escola a facadas