Vanguart faz show para público cuiabano no dia 27 de abril; ingressos já estão à venda

Há duas semanas O LIVRE adiantou que a Vanguart teria uma surpresa para o público cuiabano prometida para breve. O baixista Reginaldo Lincoln conversou com a reportagem sobre a apresentação que fariam no Lollapalloza – que a propósito arrebanhou uma multidão de fãs – e adiantou que estavam preparando algo especial para Cuiabá.

Pois bem, na noite desta terça-feira (03) em sua página oficial, a Vanguart confirmou show para o dia 27 de abril, às 20 horas, no Cine Teatro Cuiabá. Os ingressos já estão disponíveis AQUI ou na bilheteria do teatro . Quem levar 1 kg de alimento não-perecível paga meia-entrada. À ocasião, disponibilizarão à venda produtos da banda, como LPs, CDs e camisetas.

Eles apresentam o recém-lançado disco, Beijo Estranho. Um dos fundadores e baixista da banda, Reginaldo Lincoln, avalia que a Vanguart está mais madura e fortalecida pela vivência em estúdio – já somam quatro álbuns – e circulação de shows por todo o país. Ao lado de Reginaldo, seguem Hélio Flanders (voz, violão, piano e composições), Fernanda Kostchak (violino) e David Dafré (guitarra e bandolim). Quem assina a produção do show em Cuiabá é Fabrício Chabô.

Assim como aconteceu no Lollapalloza, eles devem contemplar a plateia com outros hits, especialmente, os que possuem forte identificação com a cidade.

Sobre o novo disco, declarou ao LIVRE: “tem a loucurona do Vanguart, é mais romântico, mais pop. Tem canções mais experimentais, poesia mais profunda, poesia mais leve… A gente fica feliz de ter um disco assim plural, que fala com todos os públicos”.

O novo trabalho possui 11 faixas. ”Uma diferença desse disco pros outros é que entramos em estúdio no início do processo criativo com apenas metade das músicas prontas e, mesmo assim, eu e o Helio sentimos que era a hora certa, que era o momento certo pra gente mergulhar de cabeça nisso. É um disco muito profundo nesse sentido. Poeticamente tem uma riqueza singular, a gente tentou ter o pé no chão, não ter uma poesia nem alegre demais e nem triste demais. Uma poesia mais realista”, conta.

Alguns críticos de música avaliaram positivamente o novo trabalho, caso do jornalista Celso Masson ao analisar que “a banda extrai uma sonoridade peculiar dos instrumentos que utiliza (como piano, violino e bandolins) e cria um acompanhamento poderoso para as canções inspiradas que evoluem faixa a faixa ao longo do repertório”.

Para ele, desde 2007, quando surgiu o primeiro disco, chamado Vanguart, a banda formada em Cuiabá – que há dez anos tem como base a capital paulista -, se mantém como uma renovadora fonte de inspiração para a música brasileira. E lá se vão dez anos de carreira, quatro álbuns de estúdio, dois DVDs, diversos videoclipes e alguns prêmios.

“Mas nós nunca esquecemos de nossas origens e divulgamos em todo o lugar que vamos, que somos de Cuiabá. Somos uma banda mato-grossense”, declarou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVídeo mostra confusão no Goiabeiras após tentativa de assalto
Próximo artigoPedro Taques convoca imprensa e abandona coletiva

O LIVRE ADS