Procurador Mauro: conheça os candidatos ao Senado por MT

Procurador do Ministério da Economia participa da oitava eleição seguida

(Foto: Reprodução)

Com histórico de candidaturas em Cuiabá, com concorrência a cargos no Executivo e no Legislativo, o procurador do Ministério da Economia, Mauro César Lara de Barros (Psol), disputa neste ano a eleição suplementar ao Senado. Uma vaga que ele já havia tentado em 2018.

Com campanha enxuta e pouco contato com a imprensa, o procurador segue a linha de seu partido de evitar alianças com agremiações grandes e tradicionais. A estratégia é manter a pauta de gestão sem alinhamento econômico. 

“Nossa prática política é a nova política, campanhas limpas, sem financiamento de grandes empresários, procurando defender os interesses do povo, principalmente dos mais pobres”, disse.  

Nascido em Cuiabá e casado há 15 anos, sem filhos, Mauro é graduado em Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) desde 1999. O surco o levou à posição de procurador público, cargo que ocupa há 17 anos. 

A vida política, segundo ele, foi sempre ativa, mas ele só resolveu participar da “política de verdade” ao chegar ao posto de procurador público, em 2003. Diz que ocupar o cargo serviu de estalo para entrar na “disputa de cargos e de defender ideias do interesse do povo”. 

A primeira disputa ocorreu três anos mais tarde, quando concorreu ao governo de Mato Grosso. Desde então, participou de todas as eleições em diferentes âmbitos: três vezes à Prefeitura de Cuiabá (2008, 2012, 2016); uma vez como deputado federal (2018); e três vezes ao Senado (2010, 2018 e 2020). 

Afirma que a postura de candidato esteve, desde o início, afinada ao lado que hoje se convencionou a chamar de nova política e entende que ela passa por uma campanha pequena e disputa isolada. 

“Desde a minha primeira candidatura, em 2006, já defendo uma nova política e participei das manifestações populares de 2013”, pontuou. 

Hoje, a tal nova política está associada um grupos partidários opostos ao do Psol, de esquerda mais acirrada.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVacina liderada por Bolsonaro
Próximo artigoSaudade de um cineminha? Duas redes reabrem as salas nesta semana em Cuiabá